Ações

Ĩcĩpupéba (engenho)

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


Ĩcĩpupéba

Engenho de bois com igreja, na m.d. do 'Ĩcĩpupéba' (Rio Sicupema).


Natureza: engenho de bois com igreja.


Mapa: PRÆFECTURÆ PARANAMBUCÆ PARS BOREALIS, una cum PRÆFECTURA de ITÂMARACÂ.


Capitania: PARANAMBVCA.


Jurisdição: Cidade de Olinda, Freguesia da Muribeca.


Nomes históricos: Ĩcĩpupéba (Icipupeba; Içipubeba); SupupԐma (Sicopema; Sacopema; Soupoupema; Sapupema; Secupema; Supupema); Nossa Senhora da Paz.


Nome atual: possivelmente Engenho Salvador (ou São Salvador) - vide mapa IBGE Geocódigo 2602902 - Cabo de Santo Agostinho-PE.


Citações:

►Mapa PE-C (IAHGP-Vingboons, 1640) #40 CAPITANIA DE PHARNAMBOCQVE, plotado como engenho, 'Ԑ SupupԐma', na m.e. de rio sem nome, reconhecivel como Rio Sicupema.


►Mapa PE (Orazi, 1698) PROVINCIA DI PERNAMBVCO, plotado, 'Icipupeba', na m.d. do rio de mesmo nome.


(Schott, 1636), pg. 59:

"Engenhos do Cabo

10 - Engenho Nossa Senhora da Paz, pertencente a um Domingos da Costa, agora abandonado; está situado meia milha mais para o interior ao oeste do último mencionado engenho; mói com água. A casa de purgar e a casa das caldeiras têm paredes de alvenaria, mas os telhados já são bastante velhos. Nelas foram encontradas as cousas abaixo especificadas. Tem cerca de uma milha de terra com muitos montes e matas; dos seus canaviais podem anualmente ser fabricadas 4.000 a 5.000 arrobas de açúcar e paga 3 por cento de recognição. Na casa do senhor do engenho e na casa de purgar foram encontradas 83 caixas cheias e também 1.055 fôrmas que, segundo a conta do purgador Bento Dias, renderam 1.123 arrobas de açúcar branco e mascavado.".

  • Nota: A conclusão de que esse é o engenho 'Ĩcĩpupéba' decorre da constatação de que há quatro engenhos a oeste, noroeste e sudoeste do 'S. Bras': 'Ĩcĩpupéba', dois 'Guarûjaĩ' e o 'Acaiuĩbuçú', mas somente o 'Ĩcĩpupéba' foi leiloado, e os proprietários dos outros, nos relatórios neerlandeses, têm a observação "está sob nosso passaporte" ou "que ficou conosco".


(Dussen, 1640), pg. 149:

"44) Engenho Soupoupema, pertencente a Johan van Blijenburch e Jacob Dassenie. São lavradores:

Paul Petros 20 tarefas

Jan Warnaerts 45

____________

65 tarefas

2.500 arrobas M.".


(Broeck, 1651), pg. 47, relatando eventos do dia 19 de novembro de 1645 envolvendo o dono desse engenho, Dassine:

"Dizia Marinho que, se não fora essa carta, Hoogh-straten, Ley e Hick, não se teriam recolhido à fortaleza de Nazareth; mas, por amor de sua honra, tiveram de ir para ela, pelo que ele Dassine também concorrera para que se prolongasse por tanto tempo a guerra no Cabo, e por isso ameaçava de o enforcar, tanto que se rendesse a fortaleza. Poucos dias depois que capitulara Hoogh-straten foi Dassine sentenciado e absolvido pelo auditor Fernando Brabo da Silva (32), e se lhe permitiu seguir para a Bahia (33).".


►Pereira, José Hygino Duarte, in (Broeck, 1651), pg. 47, Notas:

"(32) O nome do auditor é Francisco Bravo da Silveira.

(33) Esse Jacob Dassine era senhor do engenho que Nieuhoff pag. 80, chama Lupapema.

O autor do Brazilsche Geld Sack dá também notícia da carta que Dassine enviara ao supremo conselho.".


(Pereira da Costa, 1903), Volume 3, Ano 1637, pg. 79-80:

"Neste ano confiscou o governo holandês os abandonados engenhos por seus donos, expatriados, errantes, cujo número atingiu a quarenta e seis, e alienando-os imediatamente, variaram os preços das vendas de tais propriedades de 13.500 a 70.000 florins, pagáveis em prestações a determinados prazos.

Os engenhos confiscados e vendidos ficavam: na Várzea, ...; e mais os seguintes, sem menção das suas situações, mas conhecidíssimos, e alguns dos quais ainda existentes: ... , Sapupema, S. Jerônimo, Ilhetas, N. S. da Palma, Santa Ana e N. S. da França.".


(Cabral de Mello, 2012):

@ pg. 90, Os engenhos de açúcar do Brasil Holandês, I - Capitania de Pernambuco, Muribeca:

«5) SUPUPEMA. Invocação São Bento. Sito à margem direita do riacho homônimo. Engenho de bois. Pagava 1,5% de pensão. Fundado por André Gonçalves Pinto. Em 1593, pertencia a Agostinho de Holanda, alcaide-mor de Igaraçu e filho de Arnal de Holanda e de Brites Mendes de Vasconcelos. Em 1623, pertencia ao brabantino Pedro Lahoest, produzindo 1720 arrobas. Quando da ocupação holandesa, era seu dono Álvaro Barbalho Feio, que se retirou para a Bahia mas regressou a Pernambuco por volta de 1650. Confiscado e vendido em 1637 a Jacob Dassine, comerciante, por 24 mil florins, em quatro prestações. Em 1639, o engenho é mencionado como pertencendo também a Johan van Rhijenburch, provavelmente sócio de Dassine. Dispunha de dois partidos de lavradores, que forneciam 65 tarefas (2275 arrobas), sem partido da fazenda. Em 1644, Dassine, alegando os danos que sofrerá dos campanhistas luso-brasileiros ("seus negros e bois foram tomados pelo inimigo e o engenho foi queimado"), solicitou permanecer na posse do Supupema "pelo menos no ano em curso, visto que ele preparou o mesmo completamente para moer, sem faltar nada". A versão foi confirmada pelas autoridades do distrito, inclusive seu vizinho João de Mendonça, que "propôs ficar de olho no engenho e adiantar os recursos para fazê-lo moer", contanto que se pudesse ressarcir com o açúcar produzido antes que fosse entregue à WIC. A solicitação de Dassine e a proposta de Mendonça foram aceitas pelo governo do Brasil holandês. À raiz da insurreição de 1645, Dassine foi preso e mandado para a Bahia. Em 1655, o Supupema estava a monte. Em 1645, Dassine devia à WIC o montante de 30312 florins; mas em 1663 foi contabilizado apenas pelo total da dívida incorrida na compra do engenho. Seus herdeiros reivindicaram ressarcimento à Coroa portuguesa.(42)».

@ pg. 179, Notas:

«(42) DP, pp. 104, 253-4; FHBH, I, p. 149; RCCB, pp. 42, 159; DN, 19.XII.1637, 24.XI.1644; "Rol dos prisioneiros que de presente estão nesta cidade [Bahia]", loketkas 28, Staet Generaal, ARA, OWIC; "Generale staet", ARA, OWIC, n. 62; Wasch, "Braziliaansche pretensien", pp. 75-7; NP, I, p. 139; Gonsalves de Mello, Gente da nação, pp. 156, 158.».






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Ĩcĩpupéba (engenho)". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/%C4%A8c%C4%A9pup%C3%A9ba_(engenho). Data de acesso: 9 de abril de 2020.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página