Ações

Capitania de Santo Amaro

De Atlas Digital da América Lusa

por Nayara Rocha
Este site foi criado em uma Universidade Federal (UnB) e produz conteúdo de qualidade para todos (com a participação de diversos professores de outras instituições federais!).
Valorize esse patrimônio!
Diga não aos cortes!


A Capitania de Santo Amaro ou de Santo Amaro de Guaíbe foi fundada em 1534 e existiu com esse nome até 1623, quando passou a fazer parte da capitania de São Vicente, então sob domínio de d. Luís de Castro, conde de Monsanto.

Tabela de conteúdo

Histórico

A Capitania de Santo Amaro foi fundada em 1534 através de doação feita pelo rei d. João III a Pero Lopes de Sousa, com a implantação do sistema de capitanias hereditárias. O território doado compreendia as terras entre a ilha de Santo Amaro e a enseada de Ubatuba[1]. Frei Gaspar da Madre de Deus,no entanto, na sua obra Memórias para a história da Capitania de São Vicente, afirma que a fundação da capitania não deve ser creditada a Pero Lopes de Sousa. Para o autor, a fundação da capitania teria se dado nos anos que se seguiram à morte do primeiro donatário, quando seus herdeiros passaram a nomear procuradores, capitães e ouvidores para a capitania. O frei ainda afirma que a capitania só passaria a ser conhecida como Santo Amaro a partir de 1545, quando há a fundação de uma capela em Guaíbe dedicada a Santo Amaro. Assim como a capitania de São Vicente, Santo Amaro teve seu território alargado ao longo do tempo e os seus limites, sempre imprecisos, foram alvo de disputa com a capitania vizinha. A capitania de Santo Amaro foi escassamente povoada durante os séculos XVII e XVII. Um dos motivos para isso seriam os constantes ataques dos índios tamoios à região.[2] Pedro Taques de Almeida Pais Leme, na obra História da Capitania de São Vicente, afirma que a vila de São Sebastião era a única da capitania.


Lista de Vilas da Capitania de Santo Amaro

vila de São Sebastião



Lista dos donatários da capitania de Santo Amaro[3]

Pero Lopes de Sousa

Pedro Lopes, tendo como tutora sua mãe Isabel de Gamboa

Martim Afonso, tendo como tutora sua mãe Isabel de Gamboa

D. Jerônima de Albuquerque e Sousa

D. Isabel de Lima de Sousa Miranda

Lopo de Sousa, também donatário da capitania de São Vicente

Luís de Castro, conde de Monsanto

D. Álvaro Pires de Castro


Capitania de Santo Amaro






Bibliografia selecionada da Capitania de Santo Amaro


Referências

  1. BUENO, B. P. S. Dilatação dos confins: caminhos, vilas e cidades na formação da Capitania de São Paulo. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v.17. n.2. p. 251-294. jul.- dez. 2009.
  2. SILVA, Maria Beatriz Nizza da; BACELLAR, Carlos de Almeida Prado; GOLDSCHMIDT, Eliana Maria Rea; NEVES, Lucia Maria Bastos Pereira Das (Org). História de São Paulo colonial. São Paulo: Editora UNESP, 2009, pág. 15.
  3. SILVA, Maria Beatriz Nizza da; BACELLAR, Carlos de Almeida Prado; GOLDSCHMIDT, Eliana Maria Rea; NEVES, Lucia Maria Bastos Pereira Das (Org). História de São Paulo colonial. São Paulo: Editora UNESP, 2009.



Citação deste verbete
Autor do verbete: Nayara Rocha
Como citar: ROCHA, Nayara. "Capitania de Santo Amaro". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Capitania_de_Santo_Amaro. Data de acesso: 24 de maio de 2019.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página



}}