Ações

Capitania do Grão-Pará

De Atlas Digital da América Lusa

A Capitania do Grão-Pará, ou apenas Pará, tem sua origem no contexto de conquista do rio das Amazonas, período de conflito com forças estrangeiras. Primeiramente a região foi denominada com a terminologia de Conquista do Pará[1], porém também é utilizado o termo Rio das Amazonas[2]. O documento mais antigo[3] que faz menção ao termo capitania, para denominar a região da conquista, é posterior ao ano de 1620. Por seguinte a legitimação do território como Capitania só ocorre em paralelo a criação do Estado do Maranhão, no ano de 1621.[4]

Conquista do Pará começou no ano de 1615, junto com a Conquista do Maranhão e a de Cumã, por Alexandre de Moura, no início da colonização da Amazônia [5].A subordinação da Capitania do Pará se dava ao Estado do Maranhão, até o ano de 1652, quando este último passou a se chamar Estado do Maranhão e Grão-Pará. As delimitações geográficas, em seu primeiro momento, estendiam-se da margem esquerda do rio Quatipuru até o rio Tocantins e este por cima, até o primeiro salto. Em outra fonte, a distribuição de Capitanias do Estado do Maranhão feita em 1639 pelo Rei Felipe III de Portugal, ratifica a dimensão territorial da Capitania do Pará com 30 léguas, entre o rio Quatipuru e o primeiro salto do rio Tocantins.

Outro documento do ano de 1661, do missionário João Felipe Bettendorf [6], reitera o Estado do Maranhão e suas Capitanias, junto com informações sobre a hierarquia organizacional das capitanias. Portanto a Capitania do Pará era subordinada ao Estado do Maranhão, ao mesmo tempo que certas Capitanias, listadas abaixo, eram subordinadas a Capitania do Pará.[7]


Capitanias subordinadas à Capitania do Pará:

Lista das Vilas da Capitania do Grão-Pará

São Miguel de Cintra

Salvaterra

Monfort

Monsarás

Colares

Beja

Conde

Porto de Mós

Veiros

Pombal

Souzel

Franca (Pará)

Alter do Chão

Boim

Pinhel

Bragança

Ourém

Nova de El Rei

Vigia

Soure

Oeiras

Portel

Melgaço

Almeirim

Monte Alegre

Alenquer

Óbidos

Faro

Cidade de Belém

Santarém

Chaves

Gurupá

São José de Macapá

Vistosa de Madre de Deus

Mazagão

Viçosa da Santa Cruz de Camutá


Capitania de Grão-Pará






Bibliografia selecionada da Capitania de Grão-Pará


Referências

  1. AHU-Pará, D.2.
  2. Frei Vicente Livro 5; AHU-Pará, D.1.
  3. AHU-Pará, D.17.
  4. Há quem diga que a separação da Capitania do Maranhão do Estado do Brasil poderia ter ocorrido no ano de 1617.
  5. Antônio José Souto Loureiro informa que estas capitanias não eram hereditárias, e sim verdadeiras regiões administrativas, com o objetivo de defesa da terra e o estabelecimento de colonos, para a ocupação definitiva.
  6. Loureiro argumenta que os estudos sobre o assunto são falhos e controversos.
  7. LOUREIRO, Antônio José. Síntese da história do Amazonas. Manaus: Imprensa Oficial, 1978.



Citação deste verbete
Autor do verbete: Manoel Rendeiro
Como citar: RENDEIRO, Manoel. "Capitania do Grão-Pará". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Capitania_do_Gr%C3%A3o-Par%C3%A1. Data de acesso: 19 de dezembro de 2018.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página