Ações

Iuaõ Lo∫tao (casas)

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


Iuaõ Lo∫tao

Grupo de cinco casas na m.e. da barra do 'Tareirĩ' (barra do Rio Trairi).


Natureza: casas.


Mapa: PRÆFECTURÆ DE PARAIBA, ET RIO GRANDE.


Capitania: RIO GRANDE.


Nomes históricos: Iuaõ Lo∫tao; Iunão Lostao; Stua; Jan ∂Ԑ Stua; Jan ∂e Sta; Ioan la Stosa; João Lostão Navarro.

  • Este topônimo também era aplicado ao porto de pesca, casa forte e ao rio - de João Lostão Navarro - vide variantes desse nome em (Medeiros, 1997), abaixo.


Nome atual: as casas de João Lostão estão destrúidas e ainda não localizadas por arqueólogos.

  • Nessa área está a antiga foz ou barra do rio Trairi, conhecida como Barra de Camurupim e Barreta, nomes pelos quais essa área ainda é conhecida atualmente.


Etimologia:

Iuaõ Lo∫tao - termo de origem portuguesa, com a redação estropiada do nome do proprietário do estabelecimento de pesca localizado nessa área, João Lostão Navarro.


Citações:

►Mapa RG (IAHGP-Vingboons, 1640) #51 CAPITANIA DE RIO GRANDE - plotado como baía, 'ߪ ∂Ԑ Jan ∂Ԑ Stua', e também casa, 'Stua'.

►Mapa Y-48 (4.VEL Y, 1643-1649) De Cust van Brazil tusschen Cabo Blancko en Rio Jan de Sta, plotado como rio, 'Rº. Jan ∂e Sta:'.

►Mapa Y-51 (4.VEL Y, 1643-1649) De Cust van Brazil tusschen Rio Jan desta en cabo Roques, plotado como rio, 'Rº. ∂e Jan ∂e Sta:'.

►Mapa CE-RG (Orazi, 1698) PROVINCIE DI SEARÁ E RIO GRANDE, plotado na barra de rio, 'Ioan la Stosa', entre 'B. Treyçao' (Baía da Traição) e 'R. Peringy' (Rio Pirangi).

(Laet, 1637) - Descrição da costa do noroeste de Brasil entre Pernambuco e Rio Camocipe, do Relatório dos brasilianos, pg. 137:

"A três léguas de Guiraire está o riacho Tareyrick, onde há pau-amarelo, chamado Tatayouba; também ferro, que chamam Ita, há a duas léguas no interior. A uma légua de Tareyrick encontra-se um riacho de água fresca onde não moram portugueses, chamado Pirangi ou Porto dos Búzios. Aqui, perto do mar, há pau-brasil. Lá mora um francês (*) que pesca para os portugueses.".

(*) Referência a João Lostão Navarro - a Baixa Navarra fica na França.

(Câmara Cascudo, 1956), pg. 242:

"À margem esquerda da barra do Tareiri (Trairi) está uma ponta, povoada com cinco casas, índice prestigioso de relativa população, e um nome simples: — Iunão Lostao. Era a propriedade de João Lostau Navarro, mas não era engenho. Aí se daria o assalto bruto de Jacob Rabby em setembro de 1645, preliminares do massacre do Uruaçu, a 3 de outubro do mesmo ano.".

(Medeiros, 1997), A ENSEADA DE TABATINGA E O PORTO DE PESCARIA DE JOÃO LOSTÃO NAVARRO, pg. 49:

"No decorrer dos primeiros 45 anos do século XVII, uma importante figura humana, moradora na Capitania do Rio Grande, foi JOÃO LOSTÃO NAVARRO, natural da Baixa Navarra. Tendo esse reino sido herdado por Henrique IV de Bourbon, o mesmo o uniu em 1589 à França. Daí as referências históricas que dão a João Lostão a nacionalidade francesa. Os cronistas contemporâneos do período da ocupação holandesa, grafavam de diversas formas, o prenome de João Lostão: Jan, João, Juan, Juaon... O seu sobrenome figurava também de várias maneiras: Estau, Lastão, Leitão, Lestauws, Leston, Lostão, Lostão, Lostau, Lostrau, Lustau, Orotau, Sta, Staa, Stau, S'tau...

Aos 17 de maio de 1603, Lostão obteve uma outra data e sesmaria, correspondente a 500 braças de terra pela costa, a partir da margem direita do mesmo rio Canayri (na realidade, tratava-se do Trairí), com os fundos correspondentes a outras 500 braças.".

(Medeiros, 1998), O LITORAL POTIGUAR EM 1628, SEGUNDO GASPAR PARAUPABA E OUTROS INDÍGENAS, comentando o documento acima citado, de outra fonte (tradução), pg. 16-17-19:

"Aos 20 de março de 1628, cinco indígenas brasileiros compareceram perante o notário Kilian van Renselaer, com a finalidade de prestarem informações detalhadas da costa nordestina brasileira, aos seus amigos neerlandeses. No tocante ao litoral da Capitania do Rio Grande, aqueles silvícolas assim o descreveram (1):

...

De Pernambuco a Tagerych 4 léguas.'

Trairí era um rio, ao norte do rio Pernambuco, do qual trataremos mais adiante.

...

Tareyrich, um pequeno rio. Ali há um francês, Juão Oroutau, que lá exerce a pesca e vende o peixe aos portugueses que habitam em Pernambuco e que o vêm procurar com os navios.

Tratava-se do rio Trairí, cuja barra ocorria no oceano, na atual praia de Barra de Camurupim. O francês João Lostão Navarro possuía um porto de pescaria, no local correspondente ao pontal de Tabatinga.

...

Os cinco indígenas autores dessas informações, chamavam-se: Gaspar Paraoupaba, do Ceará, 50 anos; Andreus Francisco, também do Ceará, 32 anos; Píeter Poty, Antony Francisco e Lauys Caspar, todos eles moradores em Baia da Traição, na Paraíba.

(1) GERRITSZ, Hessel • Jornaux et Nouvelles, etc,, pp. 171-173.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Iuaõ Lo∫tao (casas)". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Iua%C3%B5_Lo%E2%88%ABtao_(casas). Data de acesso: 5 de abril de 2020.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página