Ações

Mingau

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


Mingau


Natureza: engenho de bois


Mapa: PRÆFECTURÆ PARANAMBUCÆ PARS BOREALIS, una cum PRÆFECTURA de ITÂMARACÂ


Capitania: PARANAMBVCA

Engenho de bois sem igreja na m.e. do 'Iequea' (Rio Jequiá).

Jurisdição: Cidade de Olinda, Freguesia da Várzea.


Nomes históricos: Engenho Novo, Engenho São Timóteo (St. Timoteo), Engenho Jiquiá, Engenho Mingau (Minguu; Mengao).


Nome atual: o engenho está totalmente destruído e área reocupada.

Possivelmente situado na área urbana do atual bairro da Mangueira, cidade do Recife-PE.

Citações

►Mapa PE-C (IAHGP-Vingboons, 1640) #40 CAPITANIA DE PHARNAMBOCQVE, plotado como engenho, 'Ԑ: St. Timo teo'.

►Mapa IT (IAHGP-Vingboons, 1640) #43 CAPITANIA DE I. TAMARICA, plotado como engenho, 'Ԑ St. Timo'.

►Mapa PC (Golijath, 1648) "Perfecte Caerte der gelegentheyt van Olinda de Pharnambuco MAURIRTS-STADT ende t RECIFFO", plotado com a nota 'Ԑngenho Novo van Antoni Fernando pecoa al. mingao by de Por: tuge∫en getrenceet'.

►Mapa ASB (Golijath, 1648) "Afbeeldinge van drie Steden in Brasil", plotado e assinalado com a letra W. Na 'Verklaringe deser Caerte.' explicita «W: Engenho Novo, toekomende Antonÿ fernandes peçoa, alias Mingao».

►Mapa PE (Orazi, 1698) PROVINCIA DI PERNAMBVCO, plotado, 'Minguu', na m.d. do rio sem nome, afluente m.e. do 'Tajiibipio' - 'Teubipí'.

►(Gonsalves de Mello, 1981), pg. 33, comentando a respeito do mapa de Golijath acima citado:

"11) «Engenho Novo, toekomende Antonio Fernandes Peçoa, alias Mingao», texto a que o mapa gravado acrescenta «by de Portugesen getrenceet» (sic), isto é, Engenho Novo, pertencente a Antônio Fernandes Pessoa, aliás o Mingau, entrincheirado pelos portuguêses. Vê-se que o mapa original era anterior ao início da Insurreição Pernambucana, e, portanto, que foram acréscimos feitos posteriormente os elementos relacionados com os sucessos de 1645 em diante. O Engenho Novo era conhecido também como Engenho Jiquiá, sendo a sua capela da invocação de São Timóteo. O seu proprietário possuía também o Engenho Tijipió, em ruínas em 1639. (50) Antônio Fernandes Pessoa, de alcunha o Mingau, tem larga menção na Nobiliarquia Pernambucana, onde consta que um irmão seu, Diogo, teve a mesma alcunha. (51) O entrincheiramento defendia uma das mais importantes «estâncias» (pôsto militar de assédio ao Recife holandês) da guerra da Restauração, a Estância de João de Aguiar ou do Aguiar, importância que estava em relação à sua proximidade do Forte das Cinco Pontas. (52)

...

(50) Adriaen van der Dussen, Relatório cit., pp. 45 e 49 e respectivas notas; Pereira da Costa, «O Passo do Fidalgo», Rev. do Instituto Arqueológico Pernambucano nº 56 (Recife, 1902), p. 58 e, do mesmo autor, «Arredores do Recife», Revista cit., nº 119 a 122 (Recife, 1923) p. 86.

(51) Nobiliarquia Pernambucana cit., I pp. 151/152.

(52) Diogo Lopes de Santiago, História da Guerra de Pernambuco (Recife, 1943), pp. 562 e 705/709. ".


Nota: Nesse mapa, o engenho, apesar do nome Jiquiá, tinha sua casa grande, igreja etc na m.d. do riacho que forma um alagadiço e desagua diretamente no Rio Capibaribe, logo acima do Forte de Afogados. Também indica que o engenho não está à m.d. do rio Jiquiá, onde hoje está o bairro de Estância.

►(Nassau-Siegen; Dussen; Keullen - 1638), pg. 87:

"50. Engenho de Antônio Fernandes Pessoa, presente; é de bois e não mói.".

►(Dussen, 1640), pg. . 151-152:

"54) Engenho São Timóteo, pertencente a Antônio Fernandes Pessoa, é engenho de bois e mói. São lavradores:

Manuel Gonçalves 25

Miguel Ferreira 35

----- 
60 tarefas

Além de alguns partidos livres que dão cana para moer aí.".

►(Relação dos Engenhos, 1655), pg. 237-238, informando a pensão que este engenho pagava à capitania de Pernambuco:

"Engenhos da freguesia da Várzea do Capibaribe

...

Engenhos que estão a monte nesta freguesia

...

- E o engenho que foi de Antônio Fernandes Pessoa, a um e meio por cento.".

►(Nieuhof, 1682), citando o relatório do Capitão Klaes Klaenz, de 15 de novembro de 1645, com a estimativa dos efetivos luso-brasileiros acantonados na Várzea, pg. 265:

"Próximo ao engenho de João de Mendonça (330), estavam aquarteladas três Companhias; sendo duas outras na casa de Sebastião Carvalho e mais duas no engenho do Mengao.".

►(Pereira da Costa, 1951), Volume 2, Ano 1598:

@ pg. 130:

"OUTUBRO 12 — Demarcação judicial das Terras do Jequiá, ...

O engenho ali situado teve primitivamente a invocação de S. Timóteo e depois a de Santo Antônio, e foi um dos seus primeiros proprietários, e talvez o seu fundador, o fidalgo madeirense Francisco Berenguer de Andrade, que depois o vendeu a Antônio Fernandes Pessoa, natural de Pernambuco, filho do abastado colono Pedro Afonso Duro. Às terras do engenho anexou Fernandes Pessoa uns partidos que herdara de seu pai, e outras terras mais que comprara a Jerônimo Pais, senhor do engenho Casa Forte, e a João Gonçalves Carpinteiro.

Com a invasão holandesa, em 1630, ficou o engenho abandonado, porquanto Fernandes Pessoa retirou-se com sua família para o engenho Sibiró em Ipojuca, que havia arrendado, e no qual faleceu pelos anos de 1633; mas d. Maria de Aguiar, sua viúva, voltou para o engenho do Jequiá e ai faleceu em 1647.".

@ pg. 131:

"O engenho Santo Antônio do Jequiá moía com animais, pertencia, originariamente, à freguesia da Várzea, e safrejou até certos anos da primeira metade do século passado.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Mingau". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Mingau. Data de acesso: 11 de agosto de 2020.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página