Ações

Semicírculo dimensório

De Atlas Digital da América Lusa

por Leon Azevedo
Este site foi criado em uma Universidade Federal (UnB) e produz conteúdo de qualidade para todos (com a participação de diversos professores de outras instituições federais!).
Valorize esse patrimônio!
Diga não aos cortes!


Semicírculo dimensório
Por conta dos avanços de novas técnicas cartográficas, já no século XVII o Semicírculo dimensório não era tão utilizado tendo em vista outros instrumentos de melhor precisão como a Prancheta circular moderna ou a bússola. O semicírculo dimensório é um instrumento sustentado por um tripé, onde a semicircunferência está divida nas extremidades em gradações (graus, minutos). Na base do Semicírculo se encontra uma "linha de fé", onde nas extremidades se encontram duas pínulas “não móveis”. Possui uma régua móvel (Alidada) presa na base do instrumento (no centro da linha de fé) com duas pínulas com furos em suas extremidades que servem para olhar por entre elas a marcação que se deseja. Ao Semicírculo dimensório geralmente se acopla uma bússola para localizar a orientação (Norte, Sul, etc.) das posições tomadas. Segundo a definição de Fortes [1]: O Semicirculo dimensório é um instrumento, que tira o nome de sua figura: a sua semicircuferencia se acha dividida em graus, e minutos; e pelo centro passa uma linha, que é o diâmetro, chamada linha de fé, e nos extremos desta linha tem duas pínulas, que servem para ver por elas os objetos : sobre esta mesma linha, ou diâmetro se ajusta uma régua móvel sobre o mesmo centro, que muitos chamam de Alidada: e nos extremos desta régua móvel outras duas pínulas para o mesmo efeito, que as primeiras. Pela parte inferior, que corresponde ao centro, tem um joelho se aplica um pé de três pernas, que segundo se encolhem, ou alargam, se abaixa, ou levanta o instrumento, e se endireitam as desigualdades do terreno: a figura primeira, estampa primeira mostra a forma deste instrumento. No vão, que fica entre a circunferência e o diâmetro, se Poe uma agulha de marcar, ou bussola, para orientar os lugares das posições, isto é, para saber as que ficam para o Norte, para o Sul, etc.

Porém, ainda segundo Fortes [2] o Semicírculo dimensório não é o melhor instrumento para as Cartas Geográficas: (...) para uso de fazer Cartas Geográficas é o Circulo dimensório mais cômodo em razão de que sem mudar o instrumento se pode contar os graus, e minutos para toda a parte.


Referências

  1. FORTES, Manoel de Azevedo. Tratado do modo o mais fácil, e o mais axacto de fazer as cartas geográficas, assim da terra, como do mar, e tirar as plantas das Praças, Cidades, e edifícios com instrumentos e sem instrumentos, para servir de instruccam à frabrica das Cartas Geográficas da História Ecclesiastica, e Secular de Portugal. 1722, pg. 56
  2. FORTES, Manoel de Azevedo. Tratado do modo o mais fácil, e o mais axacto de fazer as cartas geográficas, assim da terra, como do mar, e tirar as palntas das Praças, Cidades, e edifícios com instrumentos e sem instrumentos, para servir de instruccam à frabrica das Cartas Geográficas da História Ecclesiastica, e Secular de Portugal. 1722, pg. 58



Citação deste verbete
Autor do verbete: Leon Azevedo
Como citar: AZEVEDO, Leon. "Semicírculo dimensório". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Semic%C3%ADrculo_dimens%C3%B3rio. Data de acesso: 23 de maio de 2019.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página