Bertha Lutz - temas

Anything in here will be replaced on browsers that support the canvas element

Cobertura da revista "Manchete" à Conferência da ONU do Ano Internacional da Mulher, 1975

Em 1975, o movimento feminista saboreou a vitória de ver acontecer a longamente desejada conferência da ONU sobre a mulher. Há muitos anos as ativistas pressionavam a ONU para que a agenda das questões da mulher ocupasse o centro do debate diplomático. O resultado foi a convocação da conferência, realizada na Cidade do México, entre junho e julho daquele ano, e que inaugurou o Ano Internacional da Mulher.
Bertha Lutz foi a convidada especial da delegação brasileira, na qualidade de delegada plenipotenciária. Esse gesto valeu ao embaixador Lauro Escorel a honra de presidir a conferência e discursar logo após os anfitriões. Escorel destacou a presença de Lutz, cuja contribuição para a redação da Carta da ONU em 1945 assegurou o compromisso com a igualdade entre os sexos no desenho da instituição que se erguia então. A documentação sobre a Conferência, preservada no Arquivo do Itamaraty, revela o acerto dos diplomatas brasileiros ao convidar a velha ativista, pois Escorel relata em telegrama à Chancelaria que os conselhos de Lutz foram decisivos para a condução dos trabalhos da delegação brasileira no emaranhado dos grupos feministas (e não muito feministas) que compareceram à reunião.
Você pode ler o relato que Bertha fez ao Itamaraty contendo suas impressões pessoais sobre a Conferência:
Relatório Conferencia Mexico, 1975
Apenas à jornalista Heleoneida Studardt, destacada pela Revista Manchete para cobrir os trabalhos da Conferência pareceu não ser importante que Bertha compusesse a delegação brasileira. Sobre isso, a jornalista silenciou, como você pode conferir na reportagem reproduzida abaixo. Como eu sei que Heleoneida cobriu o evento para a Manchete? Assim estava registrado nos arquivos do Itamarati.


Eloquentes foram os comentários de Bertha sobre os bastidores da Conferência, especialmente, o seu desagrado com os rumos do feminismo em 1975.

Realização:
unb


Apoio:
cnpq