Skip to content

Como se faz um banco de dados (em história)

Como se faz um banco de dados (em história) published on
Como se faz um banco de dados (em História)
Como se faz um banco de dados (em História)

Este é um livro voltado para estudantes de História e para quem quer informatizar sua pesquisa desde o começo. Por “informatizar” quero dizer criar uma base de dados, ou, como se diria em inglês to database something. Seu objetivo é de ajudar o leitor a incrementar sua pesquisa em História, com algumas aplicações possíveis para as ciências sociais em geral. Não se trata de um manual técnico. A proposta aqui é contribuir para o leitor pensar como alguns recursos próprios do universo das bases de dados e da informática podem melhorar a investigação, desde a proposição do problema até a escrita do trabalho, passando pela coleta e análise das informações que darão suporte às conclusões. A atenção, contudo, ficará nas formas de organizar os materiais.

A obra foi fruto de um pós-doutorado realizado na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) entre agosto de 2013 e janeiro de 2014. Para tanto, foram utilizadas centenas de artigos, livros e capítulos sobre o tema, além de dezenas de manuais de informática. Os resultados desta pesquisa também foram aproveitados em cursos presenciais sobre bancos de dados, realizados na UFRJ em outubro de 2014 e na UFRGS em dezembro do mesmo ano, quando as ideias aqui apresentadas foram alvo de debates. Os dados obtidos nesta pesquisa foram utilizados em outras publicações, a saber: “Storici e informatica: l’uso dei database (1968-2013)”, publicado na revista “Memoria e ricerca” (Itália, 2015) e “’Our own in-house’ software: una historia de historiadores programadores” na obra “Historiografía, giro digital y globalización. Reflexiones teóricas y prácticas investigativas” de Juan Andrés Bresciano (Uruguay, 2015).