Ações

Bayatag

De Atlas Digital da América Lusa

Edição feita às 15h19min de 12 de setembro de 2015 por Levypereira (disc | contribs)

(dif) ← Versão anterior | ver versão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

Coleção Levy Pereira

Bayatag

Lagoa sem nome no MBU, na m.e. do 'Salina Grande' (Rio Açu), proximo à 'Aldea Vuawaßou'.


Natureza: lagoa.


Mapa:

MARITIMA BRASILIÆ UNIVERSÆ.


Capitania: Rio Grande.


Nomes históricos: Bayatag; Bachtag; Bacwatigh.


Nome atual: Lagoa do Piató.

Citações:

(Margrave, 1648), Livro VIII - Que trata da própria Região e dos Indígenas:

@ Capítulo IV - Os habitantes do Brasil - pg. 268:

"Nota. Os confins e habitações dos Tapuias, segundo a descrição de Jacob Rabbi, que morou vários anos entre eles, são os seguintes: ...

...

... até Marytupa, são duas milhas, até Warerugh uma. Este rio, também chamado Otschunogh, penetra, no continente, em direção ao Austro numa distância de mais de cem milhas. A uma distância de mais de vinte e cinco milhas do litoral marítimo, acha-se o grande lago Bajatagh com grande abundância de peixes. À esquerda deste, em direção ao nascente, acha-se outro chamado Igtug, pelos indígenas, mas ninguém penetra nele, por causa de peixes, que mordem, e são muito inimigos do homem. A este fica adjacente o vale Kuniangeya, tendo o comprimento de vinte milhas e a largura de duas. Atravessa-o o rio Otschunogh, abundante de peixes; aí se encontra grande abundância de animais silvestres e frutas.".

@ Capítulo XII - Acerca dos costumes, e dos usos dos Tapuias, segundo a narração de Jacob Rabbi que vivera alguns anos entre eles - pg. 281-282:

«Nos meses de março e abril a maior força das águas desce dos montes, de sorte que o rio Otschunogh se enche, e suas margens transborda e invade o lago vizinho Bayatag, pelo qual tempo colhem tanta quantidade de peixes, quantas mulheres possam levar dificultosamente para os acampamentos; e seus principais frutos que estão maduros. Mas quando o rio volta ao seu leito, regressam às moradas costumeiras, eles consagram à atividade à sementeira; principalmente porém plantam o maior milho ou "Maizium", vários legumes, e abóboras em forma de bilha.».


(Câmara Cascudo, 1968), pg. 114, reconhece Piató como vocábulo Tarairiús-Janduís:

«PIATÓ: — Grande lagoa no Açu. Rio em Caicó e também Piatozinho. Será vocábulo dos Tarairiús-Janduís, povoadores da região. No idioma tupi seria ipia-a-tó, a lagoa da casa, a lagoa da morada, alusão à velha residência tradicional na fazenda de gado, uma das mais antigas à margem da lagoa. "Piató, a morada primitiva, que lhe deu o nome e era fazenda de criar" (Nestor Lima).».


(Medeiros, 1984):

@ Capítulo Dez - Caça, pesca e agricultura dos tapuias, pg. 60:

"Barleu informa que, quando trovejava e soprava fortemente o vento, havia uma abundantíssima pescaria de peixes na lagoa Bajatach (atualmente, Piató), próxima do local onde existia o acampamento principal do rei Janduí, em Açu (RN). Os peixes eram tão gordos, que dispensavam o uso de gordura para o seu preparo (2, 265). Marcgrave descreve que o Bayatag (Piató), nos meses de março a abril recebia o transbordamento do rio Otschunogh (atualmente, rio Açu), mal conseguindo as mulheres da tribo transportar todo o peixe pegado, para os acampamentos (28, 281).".

@ Bibliografia, pg. 155:

"28. MARCGRAVE, Jorge. História natural do Brasil, São Paulo, Imprensa Oficial do Estado, 1942.".


(Medeiros, 1998), A DESCRIÇÃO DO LITORAL POTIGUAR, SEGUNDO JACOB RABBI, pg. 82, comentando a citação de (Margrave. 1648), Livro VIII, Capítulo IV:

"O Otschunogh, ou Warerugh, correspondia ao atual rio Açu. O lago Bajatagh era a mesma lagoa do Piató, próxima à atual cidade do Açu. Igtug, ou Itu, hoje é denominada de lagoa de Ponta Grande, encravada na antiga sesmaria, do Itu, ora pertencente à família Montenegro. Os temidos peixes mencionados por Rabbi são as perigosíssimas piranhas.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Bayatag". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Bayatag. Data de acesso: 20 de setembro de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página