Ações

Camaraoĩ Curral

De Atlas Digital da América Lusa

(Diferença entre revisões)
(Criou página com 'Coleção Levy Pereira Camaraoĩ Curral '''Natureza:''' curral '''Mapa:''' PRÆFECTURA DE CIRÎÎĬ, vel SER...')
 
m (Substituindo texto ' {| . | align="center" style="background:#f4d485;"|'''''Citação deste verbete''''' |- |- | '''Autor do verbete:''' Levy Pereira '''Como citar:''' PEREIRA, Levy . "Substituir texto". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do A)
Linha 58: Linha 58:
  
  
{{citacao1}} Levy Pereira{{citacao2}} PEREIRA, Levy {{citacao3}}
+
{{Citar|nome=Levy|sobrenome=Pereira}}
 +
 
 +
{{Ref|nome=Levy|sobrenome=Pereira}}
 +
 
 +
[[Category: Coleção Levy Pereira]]

Edição de 12h44min de 7 de janeiro de 2013

Coleção Levy Pereira


Camaraoĩ Curral


Natureza: curral


Mapa: PRÆFECTURA DE CIRÎÎĬ, vel SEREGIPPE DEL REY cum Itâpuáma


Capitania: CIRÎÎĬ

Curral na m.e e na cabeceira do 'R. de Lorenço de Sou∫a' (Rio Ganhamoroba).

Nome histórico:' Camaraoĩ Curral; Curral do Camarão.

Curral de Dom Antonio Filipe Camarão, "nos sertões", entre 1640 e 1645.


Nome atual: ...

Possivelmente é a fazenda a 1,4 Km N-Ne da cidade de Divina Pastora-SE, nas coordenadas (10°40'6.48"S 37° 8'29.98"W).

Citações

►(Nieuhof, 1682), pg. 139:

"No dia 4 de abril (209), o Grande Conselho foi informado por carta, que da Paraíba lhe dirigiram Isaak Rasiere e o Capitão Blaeubeek, ser voz corrente naquela região que Camarão, chefe dos brasileiros se achava em marcha do Sertão para o Ceará, a fim de se reunir com os brasileiros da região e atacar a Capitania do Rio Grande. À vista disso, o Conselho expediu ordens a Hans Vogel, Governador de Sergipe d'El Rei para que se informasse e lhe comunicasse com presteza o que conseguisse apurar sobre a presença de Camarão com sua tropa no Rio Real, ou, caso contrário, se estava em marcha e quais seriam suas intenções. Transmitiu, ainda, o Conselho instruções ao povo da Paraíba no sentido de que procurasse saber qual a origem desses boatos e o informasse a respeito.

A 15 de maio, chegou a resposta de Hans Vogel, datada de Sergipe-d'El Rei, 25 de abril, na qual comunicava ao Conselho que, de conformidade com as ordens recebidas, havia enviado um sargento e alguns soldados ao Quartel General de Camarão, situado a cerca de 12 léguas (210) de Sergipe, sob o pretexto de procurar desertores. Informaram esses militares, ao regressar, que as forças de Camarão consistiam em 200 portugueses e 1.200 brasileiros e que se achava toda acantonada no mesmo lugar, ocupada, em sua maioria, em cultivar a terra, pois que o próprio Camarão estava na Bahia, onde tinha ido assistir às solenidades da Páscoa. Foram, assim, levados a crer que as notícias de que essas forças estavam em marcha não passavam de pura fantasia.".

Notas:

1) os fatos ocorreram no ano de 1645;

2) o quartel de Camarão foi situado por Nieuhof no Rio Real. Pode ser, mas esse rio está fora da jurisção do Sergipe nerlandes, pelo menos no BQPPB, que o limita no Rio Vaza Barris - assim la não há jurisdição para um sargento neerlandes procurar desertores. Esse quartel deve estar situado no 'Camaraoĩ Curral', que também está dentro das doze légus da cidade e 'Siriji del Rey' (São Cristovão-SE).

►(Gonsalves de Mello, 1954):

@ pg. 35:

"... segundo informa Calado. (53)

Ainda segundo este autor, Camarão estava na Bahia quando da aclamação ali, de D. João como Rei de Portugal (fevereiro de 1641), e que depois se passou para Sergipe, onde se fixou com a sua tropa. (54) Foi daí que em março de 1645 ele partiu em "perseguição" de Henrique Dias que "fugira" em direção de Pernambuco (veja-se a biografia de Henrique Dias, nesta série). É sabido que a fuga era uma simulação para justificar perante os holandeses a entrada dos dois veteranos campanhistas em território ocupado, pois na verdade se iam incorporar aos luso-brasileiros de Pernambuco que tinham "aclamado a liberdade"."

@ pg. 60-61:

"(53) Fr. Manuel Calado do Salvador, O VALEROSO LUCIDENO cit., I, p. 225. ...

(54) Felisbelo Freire, HISTÓRIA DE SERJIPE (Rio, 1891), p. 96, citando Southey, diz que com a ocupação, em 1641, da vila de São Cristóvão de Serjipe pelos holandeses, Camarão foi encarregado pelo Governador-geral de vigiá-los — já que não dispunha de forças para expulsá-los; veja-se também Calado, liv. cit, I, p. 256. Freire refere também que o mapa de Marcgrav publicado no livro de Baerle, indica a existência em Serjipe de um curral de Camarão, onde provavelmente era guardado o gado para o abastecimento da sua tropa: liv. cit., pp. 83 nota e 117.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Camaraoĩ Curral". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Camarao%C4%A9_Curral. Data de acesso: 15 de setembro de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página