Ações

Capitania de Paraiba

De Atlas Digital da América Lusa

(Diferença entre revisões)
(Criou página com 'Coleção Levy Pereira Capitania de Paraiba '''Natureza:''' Capitania '''Mapa:''' [[PRÆFECTURÆ DE PARAIBA, ET ...')
 
m (Substituindo texto ' {| . | align="center" style="background:#f4d485;"|'''''Citação deste verbete''''' |- |- | '''Autor do verbete:''' Levy Pereira '''Como citar:''' PEREIRA, Levy . "Substituir texto". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do A)
Linha 48: Linha 48:
  
  
{{citacao1}} Levy Pereira{{citacao2}} PEREIRA, Levy {{citacao3}}
+
{{Citar|nome=Levy|sobrenome=Pereira}}
 +
 
 +
{{Ref|nome=Levy|sobrenome=Pereira}}
 +
 
 +
[[Category: Coleção Levy Pereira]]

Edição de 12h47min de 7 de janeiro de 2013

Coleção Levy Pereira


Capitania de Paraiba


Natureza: Capitania


Mapa: PRÆFECTURÆ DE PARAIBA, ET RIO GRANDE


Capitania: PARAIBA

Capitania.


Nome atual: Estado da Paraíba.


Nomes históricos: Capitania (Província, no Império; Estado, na República) da Parahyba (Paraiba).

Capitania da Coroa, Capitania Real. Originou-se da extinção da Capitania de Itamaracá, abandonada pelo donatário, em 1574. Seu primeiro capitão-mor foi Frutuoso Barbosa. O território da capitania na época do Domínio Holandês tinha limite ao norte com a Capitania do Rio Grande, nas Lagoas de Upabuna, logo acima da foz do rio Camaratuba (PB), e ao sul, com a Capitania de Pernambuco na foz do Rio Goiana.

Referências:

►(Herckmans, 1639) RIAHGP, pg. 239-240:

"A Capitania da Paraiba, situada ao norte de Pernambuco, é uma das principais províncias do Brasil. Entre os seus limites e os de Pernambuco fica a Capitania de Itamaracá que com ela confina pelo sul; ao oriente o mar oceano ou mar do Norte, como os espanhois o denominam; ao norte a Capitania do Rio Grande, e para o ocidente estende-se pelo sertão a dentro até onde os moradores a quizerem povoar, o que até o presente não se observa senão até ás montanhas da Ocupaoba.

Em aguas, ares e fertilidade é esta Capitania uma das regiões mais saudaveis do Brazil, e em todos os tempos tem sido populosa e bem povoada pelos naturais da terra, chamados Pitiguares. Depois do seu descobrimento foi occupada pelos franceses, que durante largos anos fizeram o tráfico de algodão e pau-brasil com os habitantes. Foram os francezes expulsos pelos portuguezes, e estes, por sua vez, vencidos pelos livres neerlandeses.

No tempo dos Portuguezes fez-se dessa região uma Capitania, o que quer dizer província onde tem mando um capitão, assim como ainda se dá a mesma denominação a todas as províncias do Brasil. Esse capitão é designado pelos Portuguezes com o titulo de capitão-mór, isto é, capitão superior, pois que ele tem outros capitães sob o seu mando. O capitão-mór estava investido da suprema autoridade sobre a milícia e a polícia, e de três em três anos era mudado pelo rei de Hespanha.

Essa região ou capitania tem o nome de Paraiba, que é uma palavra barbara, ou melhor brasílica, significando um mar corrompido, uma agua má, outrosim um porto mau para se entrar, e, segundo explicam as pessoas mais versadas nessa lingua, quer dizer «um porto sinuoso, cuja entrada é má»; pois Para quer dizer rio ou porto com uma curva, e yba significa mau, donde se segue que esse rio, o maior dessa região, tira o seu nome da bocca ou entrada sinuosa que tem, e por sua vez a região tira o seu nome do rio, que se chama Paraiba.".

►(Câmara Cascudo, 1956), pg. 220-221:

"Tinha, em 1634 ao ser invadida, dezoito engenhos (o SOMMIER DISCOURS nomeia vinte), com mil habitantes em sua cidade, três Igrejas e três Conventos. Servaes Carpenter, seu primeiro Diretor, comparou-a a Gertruydenbergh, na Holanda, descrevendo-a com orgulho, grande, ampla, luminosa, com casas sólidas, soleiras, esquinas, ombreiras de cantaria de dois pés de espessura nas paredes de alvenaria, branquejadas de cal, dois andares, belos edifícios ... E por todo território abundância de víveres, pesca, caça, frutos, raízes feculentas, e uma riqueza em madeiras de lei, desvanecedora do fiel Brandônio no primeiro dos "Diálogos."

Em 1638 recebeu brasão d'armas, seis pães de açúcar, postos em pala, na série de três, dois e um. Parahyba sacchareorum panum formas pyramidales praeferebat. Quod optimi & laudatissimi sacchari nutricula esset, ant quod dedita nostratibus província, major illie sacchari & molarum coeperit esse labor & precium, comenta Barléu.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Capitania de Paraiba". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Capitania_de_Paraiba. Data de acesso: 22 de setembro de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página