Ações

Capitania do Rio de Janeiro

De Atlas Digital da América Lusa

(Diferença entre revisões)
Linha 1: Linha 1:
{{verbete|nome=Tiago|sobrenome=Gil|verbete=[[Arquivo:Santana.png|300px|right|thumb|Detalhe da [[Capitania de São Vicente]], onde estava a baía da Guanabara. Fonte: [[(Cintra, 2013)]]]]
+
{{verbete|nome=Tiago|sobrenome=Gil|verbete=
 
Foi uma [[capitania]] do [[Estado do Brasil]] de 1565 até o final do período colonial, instalada em terrenos originalmente ocupados pela [[Capitania de São Vicente]], resgatados para a Coroa por conta da expulsão dos franceses por [[Estácio de Sá]], iniciada em 1565.  
 
Foi uma [[capitania]] do [[Estado do Brasil]] de 1565 até o final do período colonial, instalada em terrenos originalmente ocupados pela [[Capitania de São Vicente]], resgatados para a Coroa por conta da expulsão dos franceses por [[Estácio de Sá]], iniciada em 1565.  
  
Linha 9: Linha 9:
  
 
{{trecho|fonte=[[ANCHIETA, José de. Enformação do Brazil, e de suas capitanias, 1584. RHIGB, vol. 6, 1844|José de Anchieta]]|texto=No ano de 1564 chegou Estácio de Sá sobrinho do governador Men de Sá ao Rio de Janeiro com a armada que trouxe de Portugal e muitos moradores do Brasil assim portugueses como índios cristãos e não indo bem fornecida do necessário para aquela empresa se foi a São Vicente onde esteve apercebendo-se de mantimentos e do mais necessário fez canoas ligeiras em que no janeiro seguinte com muita gente de São Vicente portugueses, mamelucos, e índios tornou ao Rio de Janeiro com os mais navios da armada e no princípio de março tomou logo terra ao longo do porto, que chamam pão de açúcar na entrada da barra, e fez casas de madeira e cerca onde se recolho com parte da gente ficando a outra nos navios e d'aí com as canoas começou a conquistas tamoios e os foi levando pouco a pouco havendo muito notáveis e milagrosas vitórias...}}
 
{{trecho|fonte=[[ANCHIETA, José de. Enformação do Brazil, e de suas capitanias, 1584. RHIGB, vol. 6, 1844|José de Anchieta]]|texto=No ano de 1564 chegou Estácio de Sá sobrinho do governador Men de Sá ao Rio de Janeiro com a armada que trouxe de Portugal e muitos moradores do Brasil assim portugueses como índios cristãos e não indo bem fornecida do necessário para aquela empresa se foi a São Vicente onde esteve apercebendo-se de mantimentos e do mais necessário fez canoas ligeiras em que no janeiro seguinte com muita gente de São Vicente portugueses, mamelucos, e índios tornou ao Rio de Janeiro com os mais navios da armada e no princípio de março tomou logo terra ao longo do porto, que chamam pão de açúcar na entrada da barra, e fez casas de madeira e cerca onde se recolho com parte da gente ficando a outra nos navios e d'aí com as canoas começou a conquistas tamoios e os foi levando pouco a pouco havendo muito notáveis e milagrosas vitórias...}}
 
+
[[Arquivo:Santana.png|300px|right|thumb|Detalhe da [[Capitania de São Vicente]], onde estava a baía da Guanabara. Fonte: [[(Cintra, 2013)]]]]
  
  

Edição de 09h27min de 30 de janeiro de 2018

por Tiago Gil
Este site foi criado em uma Universidade Federal (UnB) e produz conteúdo de qualidade para todos (com a participação de diversos professores de outras instituições federais!).
Valorize esse patrimônio!
Diga não aos cortes!


Foi uma capitania do Estado do Brasil de 1565 até o final do período colonial, instalada em terrenos originalmente ocupados pela Capitania de São Vicente, resgatados para a Coroa por conta da expulsão dos franceses por Estácio de Sá, iniciada em 1565.


Tabela de conteúdo

Histórico

Fundada no contexto de embates entre portugueses e franceses na costa americana, a Capitania do Rio de Janeiro se inicia em 1565, como apontou José de Anchieta algumas décadas depois:


Aspa1.png No ano de 1564 chegou Estácio de Sá sobrinho do governador Men de Sá ao Rio de Janeiro com a armada que trouxe de Portugal e muitos moradores do Brasil assim portugueses como índios cristãos e não indo bem fornecida do necessário para aquela empresa se foi a São Vicente onde esteve apercebendo-se de mantimentos e do mais necessário fez canoas ligeiras em que no janeiro seguinte com muita gente de São Vicente portugueses, mamelucos, e índios tornou ao Rio de Janeiro com os mais navios da armada e no princípio de março tomou logo terra ao longo do porto, que chamam pão de açúcar na entrada da barra, e fez casas de madeira e cerca onde se recolho com parte da gente ficando a outra nos navios e d'aí com as canoas começou a conquistas tamoios e os foi levando pouco a pouco havendo muito notáveis e milagrosas vitórias... Aspa2.png
José de Anchieta
Detalhe da Capitania de São Vicente, onde estava a baía da Guanabara. Fonte: (Cintra, 2013)


O Frei Vicente de Salvador também detalha a conquista da Guanabara pelos portugueses vindos da Bahia:

Aspa1.png e arrasando dois lugares em que se haviam fortificado os franceses, posto que em um deles, que foi na aldeia de um índio principal chamado Iburaguaçu mirim, que quer dizer «pau grande pequeno,» lhe feriram seu sobrinho Estácio de Sá de uma mortífera flechada, de que depois morreu. Sossegadas as coisas da guerra, escolheu o governador sítio acomodado ao edifício de uma nova cidade, a qual mandou fortalecer com quatro castelos, e a barra ou entrada do Rio com dois, chamou a cidade de S. Sebastião, não só por ser nome de seu rei, senão por agradecimento dos benefícios recebidos do santo, pois a vitória passada se ganhou dia de S. Sebastião[...]O sítio em que Mem de Sá fundou a cidade de São Sebastião foi o cume de um monte, donde facilmente se podiam defender dos inimigos[...]Fundada pois a cidade pelo governador Mem de Sá no dito outeiro, ordenou logo que houvesse oficiais, e ministros da milícia, justiça, e fazenda Aspa2.png
Frei Vicente de Salvador



Pizarro e Araújo destaca que a entrada e fixação das tropas portuguesas no baía da Guanabara só teria ocorrido em 1566, e não em 1565, como sugere o texto de José de Anchieta acima indicado.[1] Uma vez controlada a situação na baía da Guanabara, Men de Sá retornou para a Bahia, deixando seu sobrinho Salvador Correia de Sá no governo do Rio de Janeiro.[2] Alguns anos mais tarde, foi feita a repartição do Estado do Brasil em duas partes, a Repartição Norte, sob governo da Bahia, e a Repartição Sul, sob cuidado do Rio de Janeiro. Como disse Gabriel Soares de Souza Esta repartição se fez no ano de 1572; começava no limite em que partem as duas capitanias dos Ilhéus e do Porto Seguro[3]


Em 1576, Pero de Magalhães Gândavo fez uma breve descrição da capitania em sua História da Província de Santa Cruz:

Aspa1.png Tem hua pouoaçam a que chamam Sam Sebastiam cidade muy nobre & pouoada de muitos vezinhos Aspa2.png
Pero de Magalhães Gândavo


A Capitania permaneceu como tal até 1748, quando a extinta Capitania de São Paulo foi incorporada pela fluminense. Em 1765, a Capitania de São Paulo foi reestabelecida.



Lista das Vilas e Cidades da Capitania do Rio de Janeiro

Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro

Angra dos Santos Reis da Ilha Grande

Vila de Paraty

São João do Paraiba (até 1732?)

Vila Nova de São José del Rei

Nossa Senhora da Piedade de Magé

Resende

São João do Príncipe ou São João Marcos

Santa Helena

Vila de São Salvador dos Campos

Santo Antonio de Sá



Lista dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro

Capitania de Rio de Janeiro






Bibliografia selecionada da Capitania de Rio de Janeiro


Referências

  1. (Araújo, 1820)
  2. Frei Vicente de Salvador. História do Brazil
  3. (Souza, 1587)



Citação deste verbete
Autor do verbete: Tiago Gil
Como citar: GIL, Tiago. "Capitania do Rio de Janeiro". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Capitania_do_Rio_de_Janeiro. Data de acesso: 17 de outubro de 2019.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página