Ações

Nossa Senhora Mãe dos Homens

De Atlas Digital da América Lusa

(Diferença entre revisões)
Linha 1: Linha 1:
{{verbete|nome=Tiago|sobrenome=Gil|verbete=Foi [[Capela]] entre 09/01/1758 até depois de 1808 com o nome de [[Nossa Senhora Mãe dos Homens]].}}
+
{{verbete|nome=Tiago|sobrenome=Gil|verbete=Foi [[Capela]] entre 09/01/1758 até depois de 1808 com o nome de [[Nossa Senhora Mãe dos Homens]].
 +
 
 +
No [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], a devoção a Nossa Senhora Mãe dos Homens teve início em um modesto oratório, que deu origem a uma das Igrejas de maior valor [[cultural]] do Brasil.
 +
 
 +
Escolheram a localização de um pequeno terreno no Caminho Capueruçu, que já existia no [[século XVII]] e fazia a ligação entre a Várzea (antiga rua Direita, atual [[Primeiro de Março]]) e a Lagoa do Capueruçu, na chamada "boca do sertão", caminho direto para [[Minas Gerais]] até 1716, quando passou a ser chamada de [[Rua da Alfândega]], chamou-se também de rua da Quitanda do Marisco, rua dos Governadores.
 +
 
 +
O local da construção vem, a partir de meados do [[século XVIII]], [[1750]], de onde existia nas proximidades do canto da Quitanda dos Pretos um [[oratório]] com a Imagem da Mãe dos Homens. Na época dos [[Vice-Reis]], os [[oratórios]] de esquinas nas ruas eram sempre de iniciativa dos particulares. Em geral, pertenciam ao proprietário do edifício. E quando possuíam iluminação, azeite, era feito um rateio entre os vizinhos.
 +
 
 +
Para se aumentar o zelo religioso, muitos destes grupos procuravam terrenos para fazer pequenas [[capelas]] para exercer a devoção religiosa. Desta forma, muitas Igrejas acabaram por serem construídas. Foi também o caso da [[Igreja da Mãe dos Homens]], no [[centro]] do Rio de Janeiro.
 +
 
 +
Por provisão do [[bispo diocesano]], [[Dom Antônio do Desterro]], [[Monge]] [[Beneditino]], fundou-se ali no dia [[9 de janeiro]] de [[1758]], o Sodalício de Nossa Senhora Mãe dos Homens.<ref>Nireu Cavalcanti. O Rio de Janeiro setecentista. A vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2004</ref>
 +
 
 +
Hoje ela está localizada no endereço Rua da Alfândega, número 54, Centro - Rio de Janeiro. É aberta ao público para missas, casamentos e confissões.
 +
 
 +
}}

Edição de 11h04min de 13 de setembro de 2018

por Tiago Gil
Este site foi criado em uma Universidade Federal (UnB) e produz conteúdo de qualidade para todos (com a participação de diversos professores de outras instituições federais!).
Valorize esse patrimônio!
Diga não aos cortes!


Foi Capela entre 09/01/1758 até depois de 1808 com o nome de Nossa Senhora Mãe dos Homens.

No Rio de Janeiro, a devoção a Nossa Senhora Mãe dos Homens teve início em um modesto oratório, que deu origem a uma das Igrejas de maior valor cultural do Brasil.

Escolheram a localização de um pequeno terreno no Caminho Capueruçu, que já existia no século XVII e fazia a ligação entre a Várzea (antiga rua Direita, atual Primeiro de Março) e a Lagoa do Capueruçu, na chamada "boca do sertão", caminho direto para Minas Gerais até 1716, quando passou a ser chamada de Rua da Alfândega, chamou-se também de rua da Quitanda do Marisco, rua dos Governadores.

O local da construção vem, a partir de meados do século XVIII, 1750, de onde existia nas proximidades do canto da Quitanda dos Pretos um oratório com a Imagem da Mãe dos Homens. Na época dos Vice-Reis, os oratórios de esquinas nas ruas eram sempre de iniciativa dos particulares. Em geral, pertenciam ao proprietário do edifício. E quando possuíam iluminação, azeite, era feito um rateio entre os vizinhos.

Para se aumentar o zelo religioso, muitos destes grupos procuravam terrenos para fazer pequenas capelas para exercer a devoção religiosa. Desta forma, muitas Igrejas acabaram por serem construídas. Foi também o caso da Igreja da Mãe dos Homens, no centro do Rio de Janeiro.

Por provisão do bispo diocesano, Dom Antônio do Desterro, Monge Beneditino, fundou-se ali no dia 9 de janeiro de 1758, o Sodalício de Nossa Senhora Mãe dos Homens.[1]

Hoje ela está localizada no endereço Rua da Alfândega, número 54, Centro - Rio de Janeiro. É aberta ao público para missas, casamentos e confissões.


Referências

  1. Nireu Cavalcanti. O Rio de Janeiro setecentista. A vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2004



Citação deste verbete
Autor do verbete: Tiago Gil
Como citar: GIL, Tiago. "Nossa Senhora Mãe dos Homens". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Nossa_Senhora_M%C3%A3e_dos_Homens. Data de acesso: 18 de setembro de 2019.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página