Ações

S. Antº (Engenho de roda d'água)

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


S. Antº

Engenho de roda d'água com igreja na m.d. do 'Ipoíucâ' (Rio Ipojuca).


Natureza: Engenho de roda d'água com igreja.


Mapa: PRÆFECTURÆ PARANAMBUCÆ PARS BOREALIS, una cum PRÆFECTURA de ITÂMARACÂ.


Capitania: PARANAMBVCA.


Jurisdição: Cidade de Olinda - Freguesia de Pojuca.


Nome histórico: Engenho Santo Antônio (S. Antº.); Engenho Bertioga (ßartjago; Bartioga).


Nome atual: Engenho Bertioga - vide mapa IBGE Geocódigo 2607208 IPOJUCA - PE.


Citações:

►Mapa PE-C (IAHGP-Vingboons, 1640) #40 CAPITANIA DE PHARNAMBOCQVE, plotado como engenho, 'Ԑ: ßartjago', na m.e. do 'Rº. Salga∂o' (Rio Ipojuca).


►Mapa PE (Orazi, 1698) PROVINCIA DI PERNAMBVCO, plotado como engenho, 'S. Antº', na m.d. do 'Ipoiucâ' (Rio Ipojuca).


(Schott, 1636), pg. 62-63:

"20 - Engenho Bertioga, situado a um quarto de milha distante do citado engenho de Nossa Senhora da Conceição; pertence a Luís Lopes Tenório, que fugiu com Albuquerque; tem uma milha de terra com várzeas razoáveis e, além disto, matas; mói com água e o açude está bem situado e nunca tem falta d'água. Pode anualmente fazer 3.000 a 4.000 arrobas de açúcar e paga 3 por cento de recognição. A casa de purgar e a casa das caldeiras são de alvenaria, mas o telhado é muito velho; nelas foram encontradas 20 caixas de açúcar de várias pessoas ausentes e mais 5 que pertencem a Leonardo de Oliveira, ao todo 25 caixas, que, com a marca da Companhia, foram mandadas para o Salgado.

Este referido engenho ficou, pela partida do senhor do engenho, sem meios e impossibilitado de moer e por isto, para não deixar que os canaviais fossem destruídos totalmente e para ainda obter algum lucro para a Companhia, foi feito um acordo com o principal lavrador, pelo qual ele, com seus negros e outros que pudesse arranjar para este serviço, se obrigava a fazer com que o engenho recomeçasse a moer, para o que lhe seriam reembolsadas todas as despesas, sendo-lhe além disto prometido um bom salário pela sua fiscalização, se ele desse fielmente conta de tudo. Este trabalhou tanto que já está pronta uma boa quantidade de fôrmas e diariamente são feitas outras. ".


(Nassau-Siegen; Dussen; Keullen - 1638), pg.84:

"6. Engenho Bartioga, confiscado e vendido a seu proprietário João Tenório, por ter vindo do inimigo para o nosso lado. É d'água e mói. ";


(Dussen, 1640), pg. 142:

"6) Engenho Bertioga, pertencente a João Tenório, é engenho d'água e mói. São lavradores: (não indica). ";


(Bullestrat, 1642), pg. 153:

"Falei com João Tenório sobre o seu débito e pediu-me que tivesse paciência com ele; que na presente safra, como poderiam confirmar diversas testemunhas, perdera 40 negros e no ano precedente todos os seus canaviais tinham sido queimados pelo inimigo, pelo que este ano não moerá e quando puder fazê-lo entregará metade da produção à Companhia (21). ";


(Gonsalves de Mello, 1985), pg. 192:

"(21) João Tenório de Molina era natural de Sevilha, na Espanha (segundo Borges da Fonseca) e senhor dos Engenhos Maranhão e Bertioga. Retirou-se com Matias de Albuquerque para a Bahia em 1635, mas regressou a Pernambuco e em 23 de junho de 1637 comprou à Companhia o Engenho Maranhão (que por sua ausência fora confiscado), a qual lhe fez preço especial de 12.000 florins, para serem pagos em 6 prestações de 2.000 florins, a primeira a vencer em 1640. Vendeu-se-lhe também o Engenho Bertioga, do qual era antes de 1630 proprietário de uma terça parte, por 21.000 florins: ARA, OWIC 68, dag. notule da data citada. ".


(Relação dos Engenhos, 1655), pg. 239-240, informando a pensão que este engenho pagava à capitania de Pernambuco:

"Engenhos da freguesia de Ipojuca

...

- E o engenho da Bertioga, a três por cento.".


(Pereira da Costa, 1951), Volume 3, Ano 1639, pg. 112-113:

"JULHO 31 — Instruções de D. Fernando Mascarenhas, conde da Torre, e governador geral do Brasil, dadas ao capitão de arcabuzeiros João Lopes Barbalho, ao incumbir-lhe da missão de partir para Sergipe com uma força de cem infantes, e que, juntando-se com a gente do capitão João Magalhães, do capitão-mor D. Antônio Filipe Camarão e do governador Henrique Dias, atalhasse as correrias que os holandeses faziam naquela paragem, saqueando os moradores, e ...

Tais instruções foram extensivas à sua conduta ao se passar a Pernambuco com igual incumbência, e onde já se achava com a sua gente em meados de janeiro de 1640, sobre cujos recontros com o inimigo diz o seguinte o Supremo Conselho do Brasil aos diretores da Companhia das Índias Ocidentais, em carta de 2 de março do mesmo ano, datada do Recife:

"A 15 de janeiro recebemos notícias a respeito de Camarão. De Camarajibe seguira ele por Porto Calvo para Una; a sua tropa e a de João Lopes Barbalho elevava-se a dois mil homens ...

"Podendo acontecer que o Camarão ou J. L. Barbalho rompesse em marcha rápida pelo mato e aparecesse com tropa em algum ponto abaixo de Serinhãem, resolvemos também que o sargento-mor Mansvelt, se fosse postar em Muribeca com algumas das companhias do Cabo e da Candelária para estar prestes, dada a emergência de aparecer o inimigo de Ipojuca para cá, e sair-lhe imediatamente ao encontro ...

"João Lopes Barbalho apareceu com cerca de 100 homens, entre brancos e Tapuias acima de Serinhãem, em Ipojuca. O capitão Falck o foi encontrar junto à aldeia de Ipojuca. Não resistindo Barbalho e não podendo ser seguido, o capitão Falck, depois de uma escaramuça, retirou-se; mas, indo ter ao engenho Bertioga, encontrou-se de novo com o mesmo Barbalho e ai travaram uma luta renhida, ocupando o inimigo posição vantajosa por trás das casas, até que foi impelido sobre um pequeno rio. O capitão Falck, tendo já 6 mortos e 17 feridos, não julgou acertado segui-lo e retirou-se em boa ordem. Isto passou-se a 28 e 29 de janeiro.".


(Cabral de Mello, 2012):

@ pg. 116-118, Os engenhos de açúcar do Brasil Holandês, I - Capitania de Pernambuco, Ipojuca:

«6) BERTIOGA. Sem indicação de orago. Engenho d'água. Sito à margem direita do Ipojuca. Pagava 3% de pensão. Moía em 1609, pertencendo a Antônio Ribeiro de Lacerda. Em 1623, produzia 5997 arrobas. Em 1636, tinha "uma milha de terra com várzeas razoáveis e, além disto, matas [...] o açude está bem situado e nunca tem falta d'água". "A casa de purgar e a casa das caldeiras são de alvenaria, mas o telhado é muito velho." Antes da invasão holandesa, passara às mãos de uma sociedade de parentes, cada qual detentor de uma terça parte, o padre João Ramires Tenório, seu irmão Luís Lopes Tenório e o sobrinho de ambos, João Tenório de Molina, os quais, procedentes de Sevilha, tinham chegado a Pernambuco em 1619 "por causa de umas heranças". João Ramires regressou à Espanha, mas Luís ficou na terra, retirando-se em 1635 para a Bahia, onde faleceu. Em 1636, o Bertioga podia produzir anualmente 3 mil arrobas a 4 mil arrobas de açúcar; mas estava

"sem meios e impossibilitado de moer, e por isto, para não deixar que os canaviais fossem destruídos totalmente e para ainda obter algum lucro para a Companhia, foi feito acordo com o principal lavrador, pelo qual ele, com seus negros e outros que pudesse arranjar para este serviço, se obrigava a fazer com que o engenho recomeçasse a moer, para o que lhe seriam reembolsadas todas as despesas, sendo-lhe além disto prometido um bom salário pela sua fiscalização, se ele desse fielmente conta do recado. Ele trabalhou tanto que já está pronta uma boa quantidade de fôrmas e diariamente são feitas outras.".

João Tenório de Molina, que em 1635 acompanhara Luís Tenório à Bahia, regressou a Pernambuco, readquirindo o Bertioga e o Maranhão em 1637 por 21 mil florins. Em 1642, a WIC cobrou as prestações atrasadas a João Tenório, que pediu "paciência com ele, que na presente safra [...] perdera quarenta negros e no ano precedente todos os seus canaviais tinham sido queimados pelo inimigo, pelo que este ano não moerá e quando puder fazê-lo entregará metade da produção à Companhia". Em 1644, o açúcar do Bertioga e do Maranhão foi seqüestrado pelas autoridades neerlandesas, que rejeitaram o pedido do proprietário para suspender a medida antes que a dívida tivesse sido paga. Em 1645, João Tenório negociou com a WIC a encampação do seu débito, inclusive com Gaspar Francisco da Costa, a ser pago nos três anos seguintes. Em 1645, João Tenório devia 29579 florins à WIC; e em 1663, 38604 florins. Moía em 1655.(78)».

@ pg. 184, Notas:

«(78) RPFB, p. 206, FHBH, I, pp. 30, 62-3, 84, 142, 240; II, pp. 153, 192; RCCB, pp. 32-3, 153; DN, 23.VI.1637,3.X.1640, 12.XII.1644, 11.V.1645; "Generale staet", ARA,OWIC, n. 62; Gonsalves de Mello, Gente da nação, p. 186.».






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "S. Antº (Engenho de roda d'água)". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/S._Ant%C2%BA_(Engenho_de_roda_d%27%C3%A1gua). Data de acesso: 23 de abril de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página