Ações

Vila de Baturité

De Atlas Digital da América Lusa

(Diferença entre revisões)
 
(2 edições intermediárias de um usuário não apresentadas)
Linha 1: Linha 1:
As mais antigas referências que se conhecem vêm do ano de 1746, quando Inácio Moreira Barros e André Moreira de Moura fizeram uma petição ao Capitão-mor Governador da Capitania do Ceará Grande, João de Teive Barreto de Meneses, para que lhes fosse concedida uma sesmaria entre o rio Choró e a serra de Baturité <ref>IBGE – Cidades</ref>. A 17 de junho de 1776, pela Secretaria dos Domínios Ultramarinos foi expedido Aviso autorizando o Governador de Pernambuco - Luiz Diogo da Silva – a confiar ao Ouvidor do Ceará – Vitorino Soares Barbosa – o estabelecimento de novas vilas nesta Capitania, de acordo com a legislação existente e, nessa conformidade em carta de 6 de agosto e portaria de 15 do mesmo mês daquele referido ano, Lobo da Silva ordenou que fossem criadas as vilas de Baturité e Crato. O ouvidor, a 31 de março de 1764, publica edital para instalação de Baturité, que foi inaugurada a 14 de abril do mesmo ano, com o nome de Monte-mor o Novo d’América <ref>O nome que é designado a Vila de Baturité no Mapa do Ceará, de 1800, de Gregório Amaral é Vila de Indio</ref>, no lugar da antiga missão de Nossa Senhora da Palma <ref>GIRÃO, Raimundo; MARTINS FILHO, Antônio. O ceará. Fortaleza: Editora Fortaleza, 1ª Ed, 1939, pag. 112</ref>, com o orado da mesma <ref>AHU – CE</ref>.
+
{{Verbete
{{Citar|nome=Reginaldo|sobrenome=Correia}}
+
|nome=Reginaldo
 +
|sobrenome=Correia
 +
|verbete=As mais antigas referências que se conhecem vêm do ano de 1746, quando Inácio Moreira Barros e André Moreira de Moura fizeram uma petição ao Capitão-mor Governador da Capitania do Ceará Grande, João de Teive Barreto de Meneses, para que lhes fosse concedida uma sesmaria entre o [[Rio Choro|rio Choró]] e a serra de Baturité <ref>IBGE – Cidades</ref>. A 17 de junho de 1776, pela Secretaria dos Domínios Ultramarinos foi expedido Aviso autorizando o Governador de Pernambuco - Luiz Diogo da Silva – a confiar ao Ouvidor do Ceará – Vitorino Soares Barbosa – o estabelecimento de novas vilas nesta Capitania, de acordo com a legislação existente e, nessa conformidade em carta de 6 de agosto e portaria de 15 do mesmo mês daquele referido ano, Lobo da Silva ordenou que fossem criadas as vilas de Baturité e Crato. O ouvidor, a 31 de março de 1764, publica edital para instalação de Baturité, que foi inaugurada a 14 de abril do mesmo ano, com o nome de Monte-mor o Novo d’América <ref>O nome que é designado a Vila de Baturité no Mapa do Ceará, de 1800, de Gregório Amaral é Vila de Indio</ref>, no lugar da antiga missão de Nossa Senhora da Palma <ref>GIRÃO, Raimundo; MARTINS FILHO, Antônio. O ceará. Fortaleza: Editora Fortaleza, 1ª Ed, 1939, pag. 112</ref>, com o orado da mesma <ref>AHU – CE</ref>.
 +
}}

Edição atual tal como 07h07min de 5 de dezembro de 2014

por Reginaldo Correia


As mais antigas referências que se conhecem vêm do ano de 1746, quando Inácio Moreira Barros e André Moreira de Moura fizeram uma petição ao Capitão-mor Governador da Capitania do Ceará Grande, João de Teive Barreto de Meneses, para que lhes fosse concedida uma sesmaria entre o rio Choró e a serra de Baturité [1]. A 17 de junho de 1776, pela Secretaria dos Domínios Ultramarinos foi expedido Aviso autorizando o Governador de Pernambuco - Luiz Diogo da Silva – a confiar ao Ouvidor do Ceará – Vitorino Soares Barbosa – o estabelecimento de novas vilas nesta Capitania, de acordo com a legislação existente e, nessa conformidade em carta de 6 de agosto e portaria de 15 do mesmo mês daquele referido ano, Lobo da Silva ordenou que fossem criadas as vilas de Baturité e Crato. O ouvidor, a 31 de março de 1764, publica edital para instalação de Baturité, que foi inaugurada a 14 de abril do mesmo ano, com o nome de Monte-mor o Novo d’América [2], no lugar da antiga missão de Nossa Senhora da Palma [3], com o orado da mesma [4].


[editar] Referências

  1. IBGE – Cidades
  2. O nome que é designado a Vila de Baturité no Mapa do Ceará, de 1800, de Gregório Amaral é Vila de Indio
  3. GIRÃO, Raimundo; MARTINS FILHO, Antônio. O ceará. Fortaleza: Editora Fortaleza, 1ª Ed, 1939, pag. 112
  4. AHU – CE



Citação deste verbete
Autor do verbete: Reginaldo Correia
Como citar: CORREIA, Reginaldo. "Vila de Baturité". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Vila_de_Baturit%C3%A9. Data de acesso: 28 de outubro de 2020.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página