Ações

F. Marguerita

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


F. Marguerita

'Marguerita F.' no MBU.

Fortaleza, no sul da barra do 'Paraíba' (Rio Paraíba).


Natureza: fortaleza.


Mapa: PRÆFECTURÆ DE PARAIBA, ET RIO GRANDE.


Capitania: PARAIBA.


Nome atual: Forte de Santa Catarina.


Nomes históricos: Forte aq Chamaõ do Cabedelo; Forte São Filipe; Forte de Nossa Senhora das Neves, Forte do Matos; Forte Santa Catarina; Forte de São Luís; Forte Novo da Paraíba; Forte Cabedelo; Arx Margarete; Castrum Margarete; Fort Margaretha; Fort Margarethen; Fort Margita; Suyder Kasteel; Zuijderfort, Forte do Sul; Forte Estuario de Cabedelo.

Citações:

►Mapa IT (Albernaz, 1626/1627), plotado como 'Forte', junto à 'BARRA' e ao rio 'Paraýba'.

►Mapa PB (Albernaz, 1626/1627), plotado como forte, identificado com a letra E, "E - Forte aq Chamaõ do Cabedelo".

►Mapa PB (IAHGP-Vingboons, 1640) #49 CAPITANIA DE PARAYBA - plotado com o símbolo de forte, "fort Margaritĭ", na m.d. e na foz do "Rº Parayba".

►Mapa Y-48 (4.VEL Y, 1643-1649) De Cust van Brazil tusschen Cabo Blancko en Rio Jan de Sta - plotado com o símbolo de forte, "F Maragarita".

►Mapa PB (Orazi, 1698) PROVINCIA DI PARAIBA, plotado com o símbolo de forte, 'I. margarij'.

(Verdonck, 1630), pg.

"§ 17.º - PARAÍBA OU CIDADE FILIPÉIA - ... os navios que ali vão recebem os carregamentos de 600 a 700 caixas de açúcar junto à cidade e, estando carregados, descem de novo o rio, voltando para o mar; na foz desse rio há um forte em mau estado, com 11 ou 12 peças de ferro, chamado Cabedelo.".

(Laet, 1637), Interrogação de Bartolomeu Peres, e situação ao redor e perto de Pernambuco, tanto ao sul como ao norte, pg. 122:

"Paraíba é um rio grande; ...

Ao entrar há um castelo ao sul com 18 peças de ferro; foi construído de madeira e barro, a beira da terra firme na restinga; teve uma guarnição de 30 pessoas.".

(Nassau-Siegen; Dussen; Keullen - 1638), pg. 121-122:

"O forte do sul foi inteiramente feito por nós: arrasou-se o velho forte de Santa Catarina, que era muito pequeno, acanhado e de pouca resistência, e, no mesmo lugar e por fora dele, levantou-se este outro. Para o lado de terra tem um bonito baluarte, cujas cortinas correm para a praia do mar, tendo de um e de outro lado um meio-baluarte que se fecham por uma tenalha; a sua circunferência é bastante espaçosa, e as suas muralhas belas e elevadas; mas, por causa das areias movediças, como sucede em todas as praias, não pode ter fossos profundos; de qualquer modo é de grande resistência. Antes do nosso governo foi este forte empreitado, estando muito adiantada a construção dele; mas fomos nós que pagamos a maior parte das despesas. Custou 31.000 florins. ".

(Herckmans, 1639) RIAHGP, pg. 240:

"O rio Paraiba tem na entrada sobre a margem meridional ou á mão esquerda uma ponta chamada Cabedelo, onde existia no tempo ao rei um fortim com o nome de Santa Catarina; mas, depois da nossa conquista, fez-se dele um grande forte, a que se deu o nome de Margaretha (Margarida).".

(Dussen, 1640), pg. 203:

"Na Paraíba, no porto ou barra, há, em primeiro lugar, no lado sul do mesmo, o forte Margareta, que se estende para o interior como um bastião {croonwerk}, apresentando, no lado que olha para o interior do país, um belo baluarte no meio e dois meios-baluartes, cujas cortinas, partindo dos meios-baluartes, correm em direção ao rio pela sua margem, encerrando-se com uma bateria;•uma tenalha liga as cortinas que se encaminham em direção ao rio. É uma obra bonita e forte, com um fosso consideravelmente profundo, uma forte estacada em torno da berma e uma boa contra•escarpa no lado externo do fosso. Nesse forte estão 14 peças de bronze e 42 de ferro, a saber: 2 de bronze de 24 lb, das quais uma espanhola, 7 de bronze de 15 lb todas espanholas, 1 de 12 lb, 4 de 10 lb, espanholas, todas montadas; as de ferro são: 4 de 10 lb, 7 de 8 lb, 8 de 1 lb, sendo que destas só há 23 montadas e ainda um morteiro grande, de bronze, montado. ".

(Câmara Cascudo, 1956), pg. 219:

"O Forte Marguerita (58), substituindo o Santa Catarina, usa nome novo em honra da mãe do conde João Maurício de Nassau.

...

(58) Barléu julgava que o Arx Margareta ou Castrum Margaretae tivesse sido em honra de uma irmã de Nassau. Eam, mutato cum império nomine, Margaretam, a sororis nomine, vocavit. A denominação homenageava a princesa Margarida de Schleswig-Holstein, mãe de João Maurício.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "F. Marguerita". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/F._Marguerita. Data de acesso: 11 de dezembro de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página