Ações

Velho N S ᵭAnunçiaçaõ ᵭ S.Grauiel (Engenho de roda d'água)

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


Velho N S ᵭAnunçiaçaõ ᵭ S.Grauiel

Engenho de bois com igreja, na margem norte da 'Paraĩgera ou Algoa de Sal' (Lagoa Manguaba, Lagoa Maguaba).


Natureza: Engenho de roda d'água com igreja.


Mapa: PRÆFECTURÆ PARANAMBUCÆ PARS MERIDIONALIS.


Capitania: PARANAMBVCA.


Nomes históricos: Velho N S ᵭAnunçiaçaõ ᵭ S.Grauiel; Ԑ. vԐlho; Engenho Velho, Engenho de Nossa Senhora da Anunciação de São Gabriel.


Nomes atuais: não mais é engenho.

  • Localizava-se na zona urbana da atual cidade de Pilar-AL (nome anterior - cidade de Manguaba-AL).


Citações

►Mapa PE-M (IAHGP-Vingboons, 1640) #39 CAPITANIA DO PHARNAMBOCQVE - plotado com o símbolo de engenho, 'Ԑ. vԐlho', na margem noroeste da 'Alagoa. ∂Ԑ Zuy∂t'.


(Nassau-Siegen; Dussen; Keullen - 1638), pg. 80:

"ENGENHOS DE PERNAMBUCO

Na Alagoa do Sul: ...

14, de Henrique de Carvalho.".


(Dussen, 1640), pg. 163:

ENGENHOS DE PERNAMBUCO - Na jurisdição de Alagoas - Alagoas do Sul

"120) Engenho Velho, pertencente a Domingos Rodrigues d'Azevedo, mói. São lavradores:

Gonçalves Pereira 35 tarefas

Simão André 20

Manuel da Fonseca 35

Baltasar Gonçalves 10

________________

100 tarefas".


(Bullestrat, 1642), pg. 171-172:

"Visitei o Engenho Velho que pertence a Domingos Rodrigues de Azevedo; é um belo engenho, que entretanto ele deixou cair em decadência por falta de lavradores e negros; destes, os que aí ainda se acham, causam prejuízos com suas correrias, destruindo as roças dos moradores. Não pude falar com o proprietário a este respeito, pois que ele se encontra no Recife. Fiz vir à minha presença o feitor e dei-lhe ordem para dar cobro a tal situação, de modo que os negros não venham a causar prejuízos; em caso contrário o comandante tomaria providências e os poria em ferros. Fiz avisar o mesmo aos negros que prometeram comportar-se d'agora em diante de modo que não houvesse mais motivos de queixas (56).


(Gonsalves de Mello, 1985), pg. 196, Notas:

(56) O Engenho Velho pertencera também a Gabriel Soares, que o vendeu a Domingos Rodrigues de Azevedo juntamente com um outro na freguesia da Muribeca: Arnout van Liebergen, Apologiae cit., pp. 35/36. ".


(Walbeek & Moucheron, 1643):

@ pg. 126:

"As terras da parte ocidental da lagoa são do Engenho Velho, que fica à beira d'água e pertence a Domingos Rodrigues de Azevedo (6).".

@ pg. 129:

"Na lagoa do Sul o primeiro é o engenho de Domingos Rodrigues de Azevedo, de que já falamos, situado ao lado ocidental da lagoa e próximo à margem. Faltam-lhe a casa de moenda e a roda d'água, mas o dono está serrando madeira para prepará-la e pretende moer no ano próximo, pois que plantou canas para isso. Domingos Rodrigues comprou este engenho a Gabriel Soares (10).".


(Gonsalves de Mello, 1985), pg. 138, Notas:

"(6) Sobre o Engenho Velho: Manuel Diégues Júnior, O Bangüé nas Alagoas (Rio 1949) p. 42.

...

10) Trata-se do Engenho Velho: ver Relatório Van der Dussen no vol. I desta série. ".


(Relação dos Engenhos, 1655), pg. 242, pensões pagas pelos engenhos à Capitania de Pernambuco:

"- Na dita vila da Alagoa, possui Gabriel Soares dois engenhos, um deles está a monte e posto por terra, e do outro que mói pagava de pensão cento e vinte mil réis.

As pensões dos engenhos referidos se pagam de todo o açúcar que fazem antes de ser dizimado, ...".

  • Nota: essa informação assegura que esse engenho estava a monte em 1655.


(Diegues Jr, 1949), pg. 41-42-43:

"Não há tradição de engenhos que tenham sido criados ou fundados nas Alagoas por Diogo Soares. Há, porém, quanto ao seu sucessor e filho Gabriel Soares, também Alcaide Mor da Vila. É tradição que Gabriel Soares fundou os engenhos Velho e Novo, considerando-se estas as primeiras fábricas de açúcar aparecidas nas terras do litoral-centro do território alagoano, apenas precedidas, em antigüidade, pelos engenhos de Cristóvão Lins, na região porto-calvense, tradição essa que encontra fundamentos nos documentos contemporâneos, inclusive o próprio testamento de Gabriel Soares.

Registra o relatório de Walbeeck e Moucheron (30), falando do engenho de Domingos Rodrigues de Azevedo, que este o comprou a Gabriel Soares; não lhe diz o nome, mas trata-se, evidentemente, do engenho Velho, pois em seu testamento de 1650, diz o Alcaide Mor de Santa Maria Madalena da Lagoa do Sul: «Deveme Domingos Rodrigues de Araújo duzentos e cinco mil, novecentos e secenta reis e mais déveme do engenho Velho, por hua escritura quatro mil e quinhentos cruzados» (31).

...

O Velho já hoje não existe, nem poderia existir; transformou-se, evoluiu e é hoje cidade: a cidade de Manguaba, antiga Pilar. Uma carta do Dr. Manuel Veríssimo da Costa Pereira dirigida a Dias Cabral (34) e conservada no arquivo do Instituto Histórico de Alagoas esclarece que o engenho Velho fora edificado sobre a fralda de um monte chamado «Urubu», em lugar ocupado atualmente por uma rua da cidade, denominada Engenho Velho. Adianta o missivista: «Ainda existem alicerces de pedra e tijollos em diversos lugares contíguos ao dito engenho dando a entender que houvera um povoado; havia também uma Capella; tudo desapareceu, e de Engenho Velho só resta o nome, o qual ainda conserva uma rua desta Cidade que margina o lago».

Nas terras do Engenho Velho novos engenhos foram criados, segundo registra Craveiro Costa; subdividindo as primitivas terras aparecem os engenhos Pilarzinho, Pilar, Grajaú de Baixo, Grajaú de Cima, Lamarão (35).

(30) "Relatório sobre o Estado das Alagoas em outubro de 1643", in Revista do Instituto Arqueológico de Pernambuco, n° 33.

(31) O original do testamento de Gabriel Soares encontra-se no arquivo do Instituto Histórico de Alagoas, e foi publicado na secção "Velharias", da Gazeta de Alagoas, de Maceió, pelo sr. Bonifácio Silveira, que o encontrou no cartório da velha cidade das Alagoas, hoje Marechal Deodoro, oferecendo-o, posteriormente, ao Instituto.".

...

(34) Documento n.° 1.229 no arquivo do Instituto Histórico de Alagoas.

(35) "O Municipio de Pilar", in Revista do Ensino, de Maceió.".


(Câmara Cascudo, 1956), comentando o Caminho do Camarão, pg. 169-170:

"O Caminho, de Camarão era a trilha ... . Esse Caminho, passando ... baixando para "Velho", atual cidade de Pilar, engenho de Gabriel Soares da Cunha, primeiro Alcaide Mor de Madalena (Alagoas) quando, agosto de 1633, os holandeses atacaram e que pertencia então a Domingos Rodrigues de Azevedo.A seguir, Nossa Senhora d'Anunciação, S. Grauiel (Gabriel) e abaixo, o "Quartier" militar, já citado no relatório de Walbeeck, em outubro de 1643.".

  • Nota: interpreta-se como um só topônimo 'Velho N S ᵭAnunçiaçaõ ᵭ S.Grauiel', de forma diferente da citação acima. A invocação do engenho deve ser Nossa Senhora da Anunciação de São Gabriel. Gabriel é o arcanjo que anunciou a Nossa Senhora que ela seria a mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo e também refere-se ao nome do dono do engenho, Gabriel Soares.


(Cabral de Mello, 2012):

@ pg. 143-144, Os engenhos de açúcar do Brasil Holandês, I - Capitania de Pernambuco, Alagoas: 5) VELHO, ENGENHO. Sem indicação de orago. Situado à margem norte da lagoa Manguaba. Engenho d'água. Fundado depois de 1609 por Diogo Soares da Cunha. Em 1623, produzia 7397 arrobas. Quando da ocupação holandesa, fora vendido por Gabriel Soares a Domingos Rodrigues de Azevedo, que permaneceu na capitania. Em 1632, após o incêndio do engenho Novo (Alagoa do Sul), a tropa holandesa fez o mesmo no engenho Velho. Moía em 1639, com quatro partidos de lavradores, no total de cem tarefas (5 mil arrobas), sem partido da fazenda. Em 1642, uma fonte oficial o descreve como "um belo engenho" que caíra "em decadência por falta de lavradores e negros; destes, os que aí ainda se acham causam prejuízos com suas correrias, destruindo as roças dos moradores". Em 1643, faltavam-lhe "a casa de moenda e a roda d'água, mas o dono está serrando madeira para prepará-lo e pretende moer no ano próximo pois plantou canas para isso". A monte em 1655. Em 1663, Domingos Rodrigues de Azevedo era devedor de 17051 florins à WIC.(117)».

@ pg. 188, Notas:

«(117) FHBH, I, pp. 30, 80, 163, 242; II, pp. 171-2, 126, 195; RCCB, pp. 62, 150; VWIC, III, p. 100; Diégues Jr., O bangüê nas Alagoas, p. 71.».

  • NOTA: O orago desse engenho, registrado por Marcgrave, é Nossa Senhora da Anunciação de São Gabriel.






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Velho N S ᵭAnunçiaçaõ ᵭ S.Grauiel (Engenho de roda d'água)". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Velho_N_S_%E1%B5%ADAnun%C3%A7ia%C3%A7a%C3%B5_%E1%B5%AD_S.Grauiel_(Engenho_de_roda_d%27%C3%A1gua). Data de acesso: 21 de março de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página