Ações

Ĩiriuna

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


Ĩiriuna

Riacho na Paraiba, formador, na junção com o 'Guaicĩ' (Rio Uriuninha-Rio da Canoa), do rio 'Guajeĩ' (Rio Guaju).


Natureza: rio.


Mapa: PRÆFECTURÆ DE PARAIBA, ET RIO GRANDE.


Capitania: PARAIBA.


Nome atual: Riacho da Volta ou Guaju.


Nomes históricos: Erioene, Ĩiriuna, da Volta, dos Marcos, Guaju (Wasju, Guajeĩ, Agasao, Agsao).

  • Possivelmente no BQPPB está com o nome trocado com o 'Guaicĩ' - vide Notas abaixo.

Citações:

(Herckmans, 1639), pg. 31-32 :

"Uma légua ao noroeste do passo ou caminho do Ipitanga, além das campinas ou tabuleiros, fica o rio Erioene, palavra que em língua brasílica significa mel preto. Se este nome procede de que o rio tenha as águas de um vermelho escuro, ou de existir propriamente nessas vizinhanças um mel de cor negra em seu estado natural, é o que ainda não sabemos.

Na margem setentrional do mesmo rio, junto ao passo, existe um marco de pedra, no qual está escrito Paraíba na face do sul, e Rio Grande na face do norte, assinalando assim o rio separa as duas capitanias da Paraíba e Rio Grande.

O Eriorene mistura-se na praia com um outro pequeno, chamado Wasju, desemboca no mar ao sul da Baía Formosa a duas léguas do Camaratuba.

Do rio Popoca ao sul, onde se perde o Taperubu,, ao longo da costa para o norte, até o rio Wasju, onde se perde o Erioene, estende-se a Capitania da Paraíba, medindo quinze a dezesseis léguas de comprimento. ...".

(Sampaio, 1904), pg. 32:

"ERIOENE — é corrupção de Eir-oena que significa: onde a abelha está, ou onde há mel. Para significar — mel preto, como o interpretou Herckman, seria escrito Eir-una ou Ira-una.".

(Coriolano de Medeiros, 1950), pg. 140:

"Marcos — Nome dado ao rio Guaju, por estar próximo dos marcos divisórios entre Paraíba e Rio Grande do Norte.".


Notas:

1) Herckmans chama de Erioene o rio que nasce nas proximidades do 'Ipĩtanga' e deságua no oceano, que é:

- no mapa RG (Albernaz, 1626/1627) o 'Rio Iaguahu'.

- no mapa BQPPB, o riacho 'Ĩiriuna' e rio formado por este após a junção com o 'Guaicĩ', chamado de 'Guajeĩ', ou seja ['Ĩiriuna' + 'Guajeĩ'];

- no mapa PB (IAHGP-Vingboons, 1640), plotado como 'R. Agasao' e 'Rº. Agsao';

- no mapa RG (IAHGP-Vingboons, 1640), plotado como 'Rº. Agsao';

- nos mapas modernos, no alto curso chamado de Rio da Volta ou Guaju, no médio e baixo cursos, Rio Guaju.

2) Não há rio pequeno na praia, ou na proximidade da foz do Guajú, afluente deste. Só há altas dunas. A menção a praia pode ser lapso.

3) Theodoro Sampaio conecta o nome Erioene a Iriuna, o 'Ĩiriuna'.

4) o texto de Herckmans traduzido é intrigante: no começo, admite que o Erioene-Iriuna-'Ĩiriuna' alcança a praia, no oceano, e descarta o nome Wasju-Guaju-'Guajeĩ'-Agasao para o rio principal, associando essa denominação a um riacho tributário, "pequeno", nas proximidades da foz do Erioene, e no final coloca o limite da Capitania no "Wasju, onde se perde o Erioene", invertendo a situação, agora o Erioene como tributário.

5) observa-se que há nos mapas modernos o Riacho Iriuninha, denominado 'Guaicĩ' no BQPPB, que se junta ao Rio da Volta ou Guaju, que associa-se, neste estudo, ao 'Ĩiriuna' do BQPPB, adotando-se a hipótese de que no BQPPB o nomes desses riachos estão trocados. Vide mapas IBGE Geocódigo 2402204 Canguaretama-RN e Geocódigo 2401404 Baía Formosa-RN.

6) Adotando-se a hipótese acima, tudo parece elucidar-se. O marco divisório, 'Os marcos' no BQPPB, que está posicionado na m.d. do 'Guaicĩ', ficaria na m.d. do 'Ĩiriuna'-Erioene-Iriuninha, concordando com os mapas modernos e justificando sua citação por Herckmans.

7) Na frase de Herckmans traduzida, para concordar com a situação real, deveria serem suprimidas as palavras NA PRAIA, ou ser feita uma reinterpretação na tradução no original desse texto, para se buscar as palavras adequadas e fieis ao que foi escrito. Ou admitir o lapso deste poeta e explorador.

8) Consultado o prof. Benjamin N. Teensma sobre esse assunto, ele escreveu a seguinte resposta:

"Leiden, 7 de dezembro de 2010.

...

2. Texto/passagem do texto de Herckmans. Consultei o texto dele no original holandês, chama-se:

GENERALE BESCHRIJVINGE VANDE CAPITANIE PARAÍBA, e foi publicado nos: BIJDRAGEN EN MEDEDEELINGEN VAN HET HISTORISCH GENOOTSCHAP, GEVESTIGD TE UTRECHT, vol. 2 (1879)s 318-367. O parágrafo em questão acha-se na pág. 349. Diz assim:

Dese riviere vermengt sich met een ander cleyn rivierken AEN DE SEEKANT, genaemt Wasjou, lopende twee mijlen van Camera Tuba besuyden bay Formosa in see.

A tradução portuguesa que cita é muito fiel, só que AEN DE SEEKAIT não significa NA PRAIA, senão DO LADO DO MAR, o que pode significar também A LESTE.

Veja se esta última interpretação pode eliminar a dúvida. Se ainda fica com dificuldades: tenho cópia em casa do original de Herckmans, e posso estudar o trecho com maior atenção quando necessário. É só dizer e aclarar.".

9) Aceitando-se a tradução do prof. Teensma, A LESTE, ao oriente, o texto de Herckmans fica claro e conforma-se à situação geográfica proposta neste trabalho.







Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "Ĩiriuna". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/%C4%A8iriuna. Data de acesso: 23 de outubro de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página