Ações

Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo

De Atlas Digital da América Lusa

Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo

Geometria Ponto

Histórico

Denominação Início Término
Nossa Senhora da Conceição do Ribeirão do Carmo
Populacao > Freguesia
por volta de 1704 1711
Motim contra autoridades reais que repartiam terras minerais em Vila do Carmo
1704 1808
Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo
Populacao > Vila
1709 1720
Motim contra ouvidor em Ribeirão do Carmo
1712 1808
Conspiração escrava (tentativa de rebelião) na vila do Ribeirão do Carmo
1712 1808
Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo
Populacao > Vila
1720 1745
Expulsão do padre cônego João Vaz da Vila do Ribeirão do Carmo
1725 1808
Mariana
Populacao > Cidade
1745 1808
Conspiração Escrava
1756 1808

A Vila de Nossa Senhora do Carmo de Albuquerque foi criada em 1711 e permaneceu com a mesma configuração territorial durante todo período colonial. Todavia, em 1745, quando a vila foi elevada a cidade, o nome do termo foi alterado para Mariana. A ocupação da região iniciou-se no final do século XVIII, quando a expedição de Lopes de Lima chegou à área e se estabeleceu perto de um ribeirão para minerar [1]. O sertanista chamou o ribeirão de Nossa Senhora do Carmo. Segundo Waldemar de Almeida Barbosa[2], os relatos da época mostram que o ouro produzido no ribeirão era volumoso e de excelente qualidade. Logo a região recebeu grande quantidade de pessoas atraídas pelas riquezas minerais. A área foi importante para a administração do Estado Português na região mineradora. A Vila de Nossa Senhora do Carmo de Albuquerque foi a primeira municipalidade, primeira capital e cidade das Minas Gerais. Entre 1703 e 1704 se tornou freguesia [3]. Em 8 de abril de 1711 o arraial foi elevado com o nome de Vila de Nossa Senhora do Carmo de Albuquerque. A municipalidade foi sede da capitania até 1720, quando a capital foi trasladada para Vila Rica. Já em 1745, a Coroa elevou a vila à categoria de cidade e criou o bispado de Mariana para cuidar da administração eclesiástica da região mineradora.


Palavras-Chave: Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo, Nossa Senhora do Carmo de Albuquerque, Mariana, bispado de Mariana.


Referências

  1. PIRES, Maria do Carmo. Termo de Vila de Nossa Senhora do Carmo/Mariana e suas freguesias no século XVIII. Casa de Vereança de Mariana, v. 300. In CHAVES, Cláudia Maria das Graças; PIRES, Maria do Carmo; MAGALHÃES, Sônia Maria de (organizadores). Casa de Vereança de Mariana: 300 anos de História da Câmara Municipal. Ouro Preto: Edufop/PPGHIS, 2012, p. 28
  2. BARBOSA, Waldemar de Almeida. Dicionário histórico e geográfico de Minas Gerais. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1995, p.195-197
  3. PIRES, Maria do Carmo. Termo de Vila de Nossa Senhora do Carmo/Mariana e suas freguesias no século XVIII. Casa de Vereança de Mariana, v. 300. In CHAVES, Cláudia Maria das Graças; PIRES, Maria do Carmo; MAGALHÃES, Sônia Maria de (organizadores). Casa de Vereança de Mariana: 300 anos de História da Câmara Municipal. Ouro Preto: Edufop/PPGHIS, 2012.



Citação deste verbete
Autor do verbete: Mariana Barcelos
Como citar: BARCELOS, Mariana. "Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/Nossa_Senhora_do_Ribeir%C3%A3o_do_Carmo. Data de acesso: 15 de dezembro de 2018.



Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)

Informar erro nesta página