Ações

S. Fanci∫co (Engenho de roda d'água)

De Atlas Digital da América Lusa

Coleção Levy Pereira


S. Fanci∫co

Engenho d'água com igreja, na m.d. do 'Teijibipió' (Rio Tijipió).


Natureza: Engenho de roda d'água com igreja.


Mapa: PRÆFECTURÆ PARANAMBUCÆ PARS BOREALIS, una cum PRÆFECTURA de ITÂMARACÂ.


Capitania: PARANAMBVCA.


Jurisdição: Cidade de Olinda, Freguesia da Várzea.


Nomes históricos: Engenho São Francisco (S. Fanci∫co; S. Francisco; S. Francisco da Várzea); Engenho de Maria Barrosa.


Nome atual: o engenho não existe mais e a sua área foi reocupada - possivelmente está na área urbana do Recife-PE , no bairro denominado Curado IV.


Citações:

►Mapa PE-C (IAHGP-Vingboons, 1640) #40 CAPITANIA DE PHARNAMBOCQVE, plotado como engenho, 'Barosa', na m.e. do 'Rº. TisԐpio'.


►Mapa IT (IAHGP-Vingboons, 1640) #43 CAPITANIA DE I. TAMARICA, plotado como engenho, 'Ԑ Barosa.', na m.d. do 'Rº. TisԐpio'.


►Mapa PE (Orazi, 1698) PROVINCIA DI PERNAMBVCO, plotado, 'S. Francisco', na m.d. do rio 'Tajiibipio' - 'Teubipí'.


(Nassau-Siegen; Dussen; Keullen - 1638), pg. 87:

"Cidade de Olinda

Freguesia da Várzea

...

51. Engenho de Maria Barrosa, presente; é d'água e mói. ".


(Dussen, 1640), pg. 152:

"ENGENHOS DE PERNAMBUCO

Na freguesia da Várzea

...

55) Engenho de Maria Barrosa, é engenho d'água e mói. São lavradores:

Jerônimo Luís 6 tarefas

Francisco Gonçalves Bastos 30

________________

36 tarefas".


(Relação dos Engenhos, 1655):

@ pg. 237, informando a pensão que este engenho pagava à capitania de Pernambuco:

"Engenhos da freguesia da Várzea do Capibaribe

...

- E o engenho do mestre-de-campo André Vidal, a três por cento.".

@ pg. 242:

"As pensões dos engenhos referidos se pagam de todo o açúcar que fazem antes de ser dizimado, ...".


(Pereira da Costa, 1951), Volume 3, Ano 1645, pg. 229:

"A essa propriedade se refere Fernandes Vieira no seu testamento celebrado em 1674 na sua fazenda dos Maranguapes, dizendo que ficava junto e adiante do engenho S. Francisco da Várzea, de André Vidal de Negreiros, ...".


(Cabral de Mello, 2012), Os engenhos de açúcar do Brasil Holandês, I - Capitania de Pernambuco, Várzea do Capíbaribe:

@ pg. 60-61:

"6) MARIA BARROSA, ENGENHO DE. Invocação São Francisco. Markgraf o registra pelo orago mas Golijath pelo nome da proprietária. Sito à margem direita do Capibaribe. Engenho d'água. Pagava 3% de pensão. Em 1593, pertencia a Francisco de Barros Rego, que participara da conquista do Rio Grande do Norte. Francisco foi juiz ordinário da Câmara de Olinda e escrivão da Santa Casa da Misericórdia da vila. Em 1623, o engenho pertencia à viúva, Maria Barrosa Pessoa, produzindo 5161 arrobas. Já era certamente administrado pelo filho do casal, João de Barros Rego, que em 1617 subescrevia o memorial de senhores de engenho que solicitava à Coroa a suspensão da execução por dívidas em face da mortandade de escravos causada pela bexiga. Em 1633, o engenho foi saqueado pela tropa holandesa, tendo a proprietária se refugiado no Arraial do Bom Jesus. Com a capitulação da fortaleza, teve de pagar resgate. Maria Barrosa permaneceu sob o domínio holandês. O engenho safrejava em 1637 e 1639, quando, além da cana de alguns partidos livres, dispunha de dois partidos de lavradores, no total de 36 tarefas, cerca de 1,8[00] arroba[s], sem partido da fazenda. Quando da insurreição luso-brasileira, Maria Barrosa devia 28 mil florins ao comerciante francês Louis Heyn. A pedido deste, o governo do Recife concedeu salvaguarda a Maria Barrosa, embora seu genro estivesse entre os insurretos. Durante a guerra de restauração, foi adquirido por André Vidal de Negreiros por 42 mil cruzados, moendo em 1655. Vidal deu-o em dote à sua filha d. Catarina, casada com Diogo Cavalcanti de Vasconcelos. Em 1663, Maria Barrosa era devedora à WIC de seiscentos florins. Moía em 1664-7.(6)".

@ pg. 174:

"(6) DP, pp. 3, 30, 34; IL, 1491, fl. 91v.; RPFB, p. 204; LPGB, p. 181; FHBH, I, pp. 28, 87, I52; RCCB, pp. 45, 155; MDGB, pp. 125, 186; VWIC, IV, p. 138; DN, 3.VIII.1645; NP, II, pp. 215-6; J. A. Gonsalves de Mello, "A finta para o casamento da rainha da Grã-Bretanha e paz da Holanda (1664-1666)", RIAP, 54 (1981), pp. 30, 53; Pereira da Costa, "Origens históricas", pp. 265-6; e "Arredores do Recife", p. 135.".






Citação deste verbete
Autor do verbete: Levy Pereira
Como citar: PEREIRA, Levy. "S. Fanci∫co (Engenho de roda d'água)". In: BiblioAtlas - Biblioteca de Referências do Atlas Digital da América Lusa. Disponível em: http://lhs.unb.br/atlas/S._Fanci%E2%88%ABco_(Engenho_de_roda_d%27%C3%A1gua). Data de acesso: 21 de março de 2019.


Baixe a referência bibliográfica deste verbete usando

BiblioAtlas recomenda o ZOTERO

(clique aqui para saber mais)



Informar erro nesta página